Conecte-se agora

O PMDB de Temer: R$ 396 milhões em propinas

Publicado

em

Além do envolvimento do presidente da República em suborno de US$ 40 milhões, executivos da Odebrecht citam alguns dos principais líderes da legenda: Cunha, Cabral, Renan, Eunício, Padilha, Moreira e Jucá

Principal partido de sustentação do governo de Michel Temer, o PMDB está envolvido de maneira profunda e direta num lodaçal de propinas e subornos que superam R$ 396 milhões. Este valor é estimado a partir das delações envolvendo a Odebrecht. O partido, que foi sócio majoritário dos governos Itamar, Fernando Henrique, Lula, Dilma e agora Temer, não consegue reviver os dias em que lutava pela redemocratização e pelo fim da ditadura. É que a luta agora é para sobreviver em meio à lama da corrupção.

As denúncias da Lava Jato atingem diretamente os principais líderes do PMDB, incluindo o presidente Michel Temer, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência da República), além dos ex-presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros, bem como do líder do governo Temer, senador Romero Jucá, e o ex-governador do Rio Sérgio Cabral. Desse grupo, Cunha e Cabral estão presos.

A cifra de R$ 396 milhões impressiona porque supera em muito os outros casos suspeitos da Odebrecht envolvendo legendas como o PT, o PSDB, o PSD, o PP, o PRB e o PSB. Pior para o Brasil, já que Michel Temer é o presidente mais impopular da história. Sua agenda de reformas aprofundou a recessão e ampliou o desemprego, enquanto permanecem destruídos setores inteiros da economia, como os de petróleo e da construção. O PMDB, que no Acre é liderado pelo deputado Flaviano Melo e Vagner Sales, terá sérios problemas para sobreviver nas urnas em 2018. Ultimamente, a bancada federal do Acre discute os cortes superiores a R$ 100 milhões feitos pelo governo Temer. Era dinheiro de emendas do orçamento da União para segurança e ramais no estado.

O pior para o partido, que teve alguns de seus expoentes pregando a deposição de Dilma Rousseff da Presidência alegando suspeitas de corrupção do PT e para evitar o caos no país – caso de parlamentares como Flaviano Melo (AC) – é a descoberta do envolvimento de ninguém menos que o próprio presidente da República em denúncias. Michel Temer surge nas delações como envolvido diretamente em pedidos de suborno em pelo menos dois episódios.

No primeiro, em 15 de julho de 2010, Temer participou de encontro com Márcio Faria da Silva, executivo da Odebrecht, para acertar o pagamento de US$ 40 milhões de propina. Em outra reunião, ocorrida em junho de 2014, Marcelo Odebrecht, presidente da holding, foi recebido em jantar no Palácio do Jaburu, com Eliseu Padilha. Na pauta, a “contribuição” de R$ 10 milhões para o PMDB.

No primeiro encontro, o suborno milionário – correspondente a R$ 132 milhões – era um pedágio para o PMDB, que fixou em 5% o percentual da propina em cima de um contrato da empreiteira com a Petrobras. No encontro, além de Temer, estavam o então deputado Eduardo Cunha e o presidente da Câmara na época, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Farias era então o presidente da Odebrecht Engenharia Industrial.

Mas as delações não envolvem apenas Temer, Cunha e Alves e Eliseu Padilha. Outras dezenas de depoimentos dos executivos da Odebrecht dão conta de que os R$ 396 milhões contabilizados seriam destinados a pelo menos 40 outros políticos do PMDB. Além da cúpula do PMDB, também estão na lista de investigados pelo Supremo Tribunal Federal os senadores Edson Lobão (MA), Marta Suplicy (SP), Katia Abreu (TO), Eduardo Braga (AM), Valdir Raul (RO) e Garibaldi Alves (RN). Ainda há deputados e pelo menos dois governadores: Luiz Fernando Pezão, do Rio; e Renan Filho, de Alagoas.

Quase metade dos recursos ilícitos teve como destino cinco caciques do PMDB do Rio, até agora a maior seção estadual da legenda, incluindo Sérgio Cabral e Eduardo Paes. Estima-se que o dinheiro oriundo da corrupção e caixa dois para a legenda seja maior. É que o ex-diretor da Odebrecht Hilberto Mascarenhas disse na delação que a empreiteira pagou US$ 3,37 bilhões entre 2006 e 2014 – equivalente a R$ 11,12 bilhões – apenas em propina e caixa dois a políticos.

CUNHA

Segundo as revelações de executivos da construtora, Eduardo Cunha teria sido beneficiado, além do pedágio de 5% do contrato da Petrobras com a Odebrecht, com outra montanha de dinheiro. Recebeu R$ 44,3 milhões em outras duas negociações. Uma na usina hidrelétrica de Jirau, no rio Madeira, em Rondônia. Ele teria levado R$ 20 milhões de um bolo de R$ 50 milhões divididos com o senador Romero Jucá (RR) e o então deputado federal Sandro Mabel (GO), além do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). Cada um ficou com R$ 10 milhões cada.

Em outras duas transações suspeitas, Cunha usou do peso de seu cargo e influência na Caixa Econômica Federal para liberar recursos do fundo FI-FGTS para aportes na Odebrecht Transportas e para as obras do Porto Maravilha, no Rio, recebendo em troca, respectivamente, R$ 4,6 milhões e R$ 19,7 milhões.

Além desses, o ex-governador Sergio Cabral, preso em Bangu 8, no Rio, recebeu uma bolada de R$ 96 milhões. Pelo menos é o que relata Benedicto Júnior em depoimento. Juntos, Cabral, Cunha, o ex-prefeito Eduardo Paes, o governador Luiz Fernando Pezão e o presidente da Assembleia do Rio, Jorge Picciani, são apontados como recebedores de, pelo menos, R$ 189,4 milhões da Odebrecht. O dinheiro saiu de grandes obras, incluindo as das Olimpíadas, do PAC do Alemão, do Arco Metropolitano e da Linha 4 do metrô.

MEDIDAS PROVISÓRIAS

Outros caciques do PMDB surgem nas denúncias de compras de favores pela Odebrecht para aprovar no Congresso medidas provisórias e outros projetos. Pelo menos 13 medidas provisorias foram “compradas” pelo Odebrecht, com pagamento explícito direto ou em doações para campanhas eleitorais de parlamentares e seus parentes, de forma legal ou via caixa dois. Somente duas delas não se transformaram em lei. A aprovação de um projeto de lei também foi incluída nesse “balcão de venda” montado no Legislativo desde 2005.

Quem surge chamuscado de ter vendido as medidas provisórias é ninguém menos que o atual líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR). Em pelo menos 10 casos, é ele o principal facilitador dos interesses da Odebrecht. Jucá negociou com Claudio Melo, executivo da empreiteira, a MP 252/05 e 255/05, que reduziu PIS e Confins na importação de nafta.

O líder do governo Temer no Senado também aparece nas delações negociando a MP 472/09, que criou o regime especial de incentivos de infraestrutura da indústria petrolífera (Repenec). Ou na MP 651/14, que modificou o Refis da crise, incluindo desonerações a vários setores. Ele ainda negociou a MP 449/08 que estendeu o prazo para pagamentos de tributos, com descontos de multas e juros a empresas.

A ação do senador, um político tão influente que foi líder dos governos FHC, Lula, Dilma e Temer, se estendeu ainda às MPs 460/09, 613/13, 677/15, 470/09, 563/12, 627/13, 703/15. Para a tramitação de cada uma dessas medidas, Jucá negociava intensamente. Em troca, teria recebido R$ 22 milhões. O parlamentar nega qualquer irregularidade, diz que nunca recebeu dinheiro e afirma que só negociou as medidas porque atuava em cada ocasião como líder do governo.

O PMDB que liderou a luta pela redemocratização, brigou pelas Diretas Já, colocou-se na história como o pilar dos avanços sociais na Assembléia Nacional Constituinte de 1988, mudou para pior. É difícil acreditar que a legenda que tinha como referência figuras como Ulysses Guimarães, Paulo Brossard, Mario Covas e Pedro Simon, hoje seja apenas um arremedo de seu lugar na história, liderado por tipos como Michel Temer, Eliseu Padilha, Moreira Franco, Romero Jucá, Eduardo Cunha e Sergio Cabral. Esses surgem não como figuras históricas, mas donos de um prontuário de escândalos policiais.

Salvar

Propaganda

Acre 01

Preso, Lula é agraciado pelo Prêmio Chico Mendes concedido pelo governo do Acre

Publicado

em

Mesmo cumprindo prisão em regime fechado na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi agraciado pelo governo do Acre com o Prêmio Chico Mendes de Florestania. Em 2018, o prêmio é especial por lembrar os 30 anos do assassinato do líder seringueiro, ocorrido em 22 de dezembro de 1988.

A solenidade de premiação aconteceu na noite de sábado (15) na cidade de Xapuri, terra de Chico. Como não pode comparecer à premiação, Lula enviou uma mensagem que foi lida pela ambientalista Lucélia Santos.

“Me emociona demais essa homenagem. Ela mostra que mesmo que hoje o dia pareça escuro, as sementes que plantamos, eu e Chico juntos, se transformaram em grandes árvores, que não serão derrubadas facilmente e que ainda darão muitos frutos e novas sementes, a serem plantadas por vocês, para um futuro melhor para o Acre, o Brasil e o mundo.”

A escolha do ex-presidente petista foi justificada por sua contribuição, enquanto ocupante do Palácio do Planalto (2003-2010) do desenvolvimento econômico do Acre. Lula era amigo de Chico Mendes quando este liderava o movimento de seringueiros contra a destruição da floresta para, no lugar, ser colocado pasto.

O passado do ex-presidente pela região foi lembrado por Raimundão Mendes, primo de Chico. Hoje com 73 anos, Raimundão também participou dos “empates” e outros movimentos de resistência dos seringueiros.

“Lula foi um verdadeiro baluarte de apoio e solidariedade às lutas do movimento sindical do Acre. Esteve em Xapuri várias vezes, inclusive quando assassinaram o companheiro Chico Mendes, mais uma vez estava presente prestando solidariedade à nossa luta aqui na região. Lula é irmão dos acreanos, portanto, é mais do que justo que prestemos essa homenagem a ele”, disse.

Outro homenageado ilustre nesta edição do Prêmio Chico Mendes foi o papa Francisco, que recebeu da primeira-dama, Marlúcia Cândida, o troféu que simboliza a premiação. O pontífice foi homenageado na categoria especial “De Francisco Para Francisco”.

Desde que Lula foi preso, em abril, para cumprir a condenação por lavagem de dinheiro e corrupção passiva, o governador Sebastião Viana (PT) se apresenta como um dos principais entusiastas da soltura do ex-presidente, dizendo que o petista sofre injustiça e é um preso político.

Leia na íntegra o discurso enviado por Lula

Governador Tião Viana e demais autoridades presentes,

Meus amigos, minhas amigas,

Quem conhece a natureza, como o povo do Acre conhece, quem conhece a Amazônia, quem cultiva a terra, sabe que da semente plantada até termos uma grande árvore leva tempo.

Por isso sabe quanto é importante plantar sementes na vida, cuidar com carinho e ter paciência até a árvore crescer e dar boa sombra e frutos.

Eu conheci o Chico Mendes na época da fundação do PT, junto com outros companheiros de todo país que queriam semear a luta pela democracia e justiça social. Um metalúrgico do ABC e um seringueiro de Xapuri com milhares de quilômetros de distância entre eles mas próximos no desejo de um Brasil melhor. Não éramos filhos de fazendeiros, de empresários, bacharéis. Éramos um metalúrgico e um seringueiro que percorreram longos caminhos.

Não tinha celular, não tinha internet, não tinha whatsapp, tinha telefone e olhe lá. A gente tinha mesmo era que rodar na estrada, viajar de ônibus, nos encontrar e valorizar cada encontro, cada troca de ideia.

O companheiro Chico protegia as árvores e os seus companheiros com a coragem, com seu próprio corpo. Em um fim de ano como esse, gente covarde e gananciosa achou que matando Chico, que tirando o corpo dele do caminho, iam esmagar a floresta e a esperança do povo do Acre. Eles achavam que matando Chico matariam sua luta.

Eu deixei a Marisa e as crianças às vésperas do Natal e fui em um aviãozinho me despedir do meu companheiro e falar exatamente isso para seus parentes, amigos e companheiros: as ideias de Chico continuariam vivas e cada vez mais fortes.

Hoje, 30 anos depois, podemos ver que muitas árvores nasceram das sementes plantadas pelo Chico.

O aumento da consciência ecológica dos brasileiros e no mundo todo, que resistem e irão resistir a ganância dos poderosos na proteção da Amazônia.

Com muita Justiça, tive a honra de batizar o nome do Instituto que cuida das unidades de conservação da natureza no Brasil de Chico Mendes.

O Acre era governado por gente que cortava com motosserras seus adversários. Os governos do PT no Acre, liderados pelo Tião e pelo Jorge Vianna, mudaram o estado, modernizando-o e trazendo desenvolvimento com consciência econômica e social. Não é fácil nem pouco ganhar 5 eleições seguidas. As pessoas começam a dar de barato conquistas feitas com muita luta e trabalho. Mas, meus amigos Tião e Jorge, não tenham dúvida de que vocês tem seus nomes na história do Acre e do Brasil.

A Marina Silva foi senadora, minha ministra do Meio Ambiente, depois disputou três eleições presidenciais. Como seria possível antes do Chico Mendes e do PT do Acre Xapuri ter uma filha da sua terra de origem popular candidata a presidência?

Eu hoje, infelizmente, não posso estar no Acre onde tantas vezes estive, para receber esse prêmio. Queriam matar as ideias de Chico Mendes. Querem calar as minhas. Nem entrevista me deixam dar.

Justamente por não poder estar aí com vocês, me emociona demais essa homenagem. Ela mostra que mesmo que hoje o dia pareça escuro, as sementes que plantamos, eu e Chico juntos, se transformaram em grandes árvores, que não serão derrubadas facilmente e que ainda darão muitos frutos e novas sementes, a serem plantadas por vocês, para um futuro melhor para o Acre, o Brasil e o mundo.

Muito obrigado,
Forte abraço,

Luiz Inácio Lula da Silva”

Continuar lendo

Destaque 6

Cameli reúne primeiro escalão e marca posse de secretários

Publicado

em

A posse dos secretários do governo de Gladson Cameli já tem dada e hora marcados: 02 de janeiro de 2019 às 9h. Um dia após a posse do governador eleito.

O anúncio foi feito na manhã deste domingo, 16, no escritório de trabalho de Gladson Cameli em reunião com a presença de 19 membros do primeiro escalão do novo governo. Na oportunidade, Cameli estabeleceu como prioridades de sua gestão: segurança, infraestrutura, educação, saúde e agronegócio.

Ele pediu à sua equipe atendimento humanizado e respeito aos servidores públicos de carreira.

“Deixei claro mais uma vez que o estado está aberto para o agronegócio e desenvolvimento, para quem quiser vir investir. Pedi um levantamento de como estão funcionando todas as secretarias e determinei que todos os servidores tem que cumprir horário”, afirmou o progressista.

Em reportagem exclusiva veiculada neste domingo, o ac24horas mostra que a reforma administrativa de Cameli sugere 900 cargos comissionados na estrutura estatal, 10 assessores especiais, além de diretores de diferentes setores.

Continuar lendo

Destaque 5

PSD recebe filiados e amigos em almoço na chácara “Boi Cagão”

Publicado

em

Caravanas do interior, políticos, simpatizantes e familiares do senador reeleito Petecão, participaram da festa de confraternização do PSD, ocorrida ontem (15) na chácara Boi Cagão, em Rio Branco.

Anfitrião do evento, o senador teve que se desdobrar para dar atenção aos muitos convidados que prestigiaram o momento.

Na ocasião, Petecão foi homenageado pela direção do PSD e também rendeu homenagens.

Ele entregou uma placa ao publicitário Wagner, dono da produtora que conduziu a mídia de sua vitoriosa campanha.

Dezenas de prêmios foram sorteados e a animação ficou por conta da Banda Trio Furacão.

A deputada estadual mais votada, Meire Serafim e seu esposo, Mazinho Serafim, prefeito de Sena Madureira, foram alguns dos muitos políticos que fizeram questão de cumprimentar o grupo do senador.

Em seu discurso, Petecão voltou a agradecer a massacrante votação que recebeu (244 mil votos) e disse que vai redobrar o trabalho em favor do Acre neste segundo mandato.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.