Conecte-se agora

Mistério de desenhos geométricos do Acre é decifrado

Publicado

em

Pode ser que o mistério dos geoglifos da Amazônia esteja chegando ao fim. Há mais de 500 desses estranhos desenhos geométricos espalhados pelo território do Acre, alguns medindo uns três quarteirões de diâmetro, todos feitos na época anterior à chegada dos europeus ao Brasil.

As estruturas pareciam sinalizar a presença de sociedades indígenas complexas e populosas, que teriam até desmatado boa parte da floresta para construir seus monumentos, mas uma nova análise sugere que os geoglifos costumavam ter vida curta e podiam ser produzidos por grupos indígenas pequenos.

Tais conclusões, que ressaltam como ainda se sabe pouco sobre a pré-história amazônica, estão num estudo publicado recentemente na revista científica americana “PNAS”.

“O que é bacana nos geoglifos é que eles mostram duas coisas: a Amazônia foi grandemente manipulada por povos do passado; e isso se deu de formas diferentes nos diferentes lugares, de acordo com condições ecológicas específicas e com a bagagem cultural de cada povo”, resume a arqueóloga Denise Schaan, do Departamento de Antropologia da UFPA (Universidade Federal do Pará).

Denise é coautora do novo estudo, junto com pesquisadores como Alceu Ranzi, da Universidade Federal do Acre, e da britânica Jennifer Watling, da USP e da Universidade de Exeter (Reino Unido). Junto com Ranzi e outros colegas, Denise tem tentado entender o enigma dos geoglifos desde a década passada.

Com formatos como círculos, quadrados e losangos, às vezes aparentemente combinados no mesmo terreno, os geoglifos acreanos começaram a ser identificados há pouco tempo, com o avanço do desmatamento no Estado, pois antes estavam recobertos pela mata.

As trincheiras que delimitam os desenhos podem chegar a 11 metros de largura e quatro metros de profundidade. Há poucos restos de cerâmica pré-colombiana no perímetro dos desenhos, e praticamente nenhum sinal de ocupação humana de longo prazo. As datações feitas até agora sugerem que a maioria deles foi construída entre 2.000 anos e 650 anos atrás. Como ninguém parece ter morado lá dentro, a hipótese mais aceita por enquanto é que eles funcionavam como centros cerimoniais – grandes terreiros para festas e danças, por exemplo.

PLANTAS DO PASSADO

Para entender melhor o que estava acontecendo na região naquela época, os pesquisadores realizaram escavações em dois geoglifos já bem estudados, que ficam a cerca de 10 km de distância um do outro. Além disso, também cavaram o solo a diferentes distâncias (de 500 metros até 7,5 km) de um dos geoglifos, para tentar investigar o impacto da construção da estrutura nas áreas vizinhas.

A vedete dessas escavações não foram pontas de flecha ou vasos de cerâmica, mas os humildes fitólitos –minúsculos grãozinhos minerais produzidos pelas plantas. Ocorre que é possível identificar uma espécie de vegetal apenas por seus fitólitos, o que significa que eles podem dar uma ideia bastante boa da vegetação que existia em determinado lugar no passado.

A análise dos fitólitos indica que, assim como ocorria antes da onda moderna de desmatamento, o Acre da época da construção dos geoglifos era dominado por uma floresta característica, com grande abundância de espécies de bambu. Há cerca de 4.000 anos –muito antes, portanto, da criação das estruturas–, há sinais de queimadas de grande escala na região. Depois desses eventos, a composição de espécies das matas muda de forma considerável, com o aumento de cerca de 30% das espécies de palmeiras.

Isso indica que já havia por ali grupos indígenas moldando a composição de espécies da floresta a seu favor, já que as palmeiras, como a pupunha, estão entre as principais árvores manejadas ou domesticadas pelos nativos da Amazônia, em geral por causa de seus frutos. É como se a mata fosse parcialmente transformada em pomar, digamos.

Por outro lado, quando os geoglifos começaram a ser construídos, não houve uma mudança radical nos fitólitos. Os pesquisadores calculam que, se a área dos monumentos fosse desmatada permanentemente, a proporção de fitólitos de grama deveria aumentar para cerca de 50%, mas ela se manteve o tempo todo abaixo dos 10%. Segundo eles, os geoglifos não chegaram a permanecer desmatados por mais de 40 anos.

Além disso, a meros 500 metros de distância dos desenhos, não há sinais de mudança na vegetação, o que indica que o impacto das estruturas era altamente localizado –regiões no entorno não costumavam ser desmatadas. Em suma, na época pré-cabralina, as florestas do Acre tinham sido alteradas significativamente pela presença humana, mas isso não significava desmates permanentes ou de larga escala.

Denise conta como imagina que a sociedade dos construtores de geoglifos funcionasse. “Seriam grupos com algo entre cem e 200 pessoas, reunindo-se esporadicamente para a construção ou reforma de alguns desses recintos. Poderíamos pensar que, num dado momento, haveria uma população total de 6.000 pessoas, divididas em 30 grupos. Muitos deles morariam por perto, tinham roças, outros ficariam morando por ali por um período depois que a festividade acabasse; outros seriam nômades, vivendo nos rios em embarcações grandes, navegando e fazendo trocas comerciais.”

Anúncios

Destaque 7

Gasolina e gás de cozinha sobem no Acre na nova tabela do Confaz

Publicado

em

Foto: Marcely Gomes/EmTempo 

Publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (25) a nova tabela do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) traz o preço médio ponderado ao consumidor final (PMPF) de combustíveis.

Essa é a tabela que os Estados e o Distrito Federal adotarão, a partir de 1º de dezembro de 2020.

No Acre, o litro da gasolina poderá ser vendido a R$ 5,08, valor que é R$ 0,03 a mais que o da tabela atual.

O preço do diesel é de R$ 4,51, que é o mesmo do outubro, apesar para efeito de comparação temporal. Já o gás de cozinha não esses mesmos sinais de estabilidade e o preço chega a R$7,15 por kg na planilha divulgada hoje –R$ 0,18 a mais que o valor apontado para a segunda quinzena de novembro.

O governo ainda não conseguiu explicar tantos aumentos em plena pandemia, a aceleração dos preços de produtos da cestas básica, além dos combustíveis e outros produtos e serviços, elevam a inflação no Acre ao ponto de fazer de Rio Branco a capital mais cara do país neste período.

Continuar lendo

Destaque 7

Acre tem a gasolina e diesel mais caro do país, aponta Ticket Log

Publicado

em

Depois do recuo em outubro, combustível volta a apresentar comportamento de alta no início do mês

De acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o Acre apresentou os valores mais caros em relação ao diesel, diesel S-10 e a gasolina, na primeira quinzena de novembro no país. No âmbito nacional, o Acre liderou o ranking dos maiores valores para todos os tipos de combustíveis, com exceção apenas para o etanol.

O diesel e o diesel S-10 fecharam com as médias de R$ 4,686 e R$ 4,671. Foram registrados também os maiores preços de toda a região para o etanol e a gasolina, comercializados a R$ 4,016 e R$ 5,067, respectivamente.

Embora o etanol tenha apresentado baixa na região, a gasolina foi a que mais compensou nas bombas na relação 70/30. “Em todos os estados da região norte, a gasolina foi mais vantajosa frente ao etanol para o bolso do consumidor”, afirmou Douglas Pina, Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil, empresa responsável pelo levantamento dos abastecimentos realizados nos 18 mil postos credenciados da Ticket

Já em relação ao preço mais barato do diesel, foi registrado no Tocantins, R$ 3,569 para o comum e R$ 3,666 para o S-10. O etanol mais barato da Região Norte ficou por conta do Amazonas, com o litro vendido a R$3,198 e a gasolina mais em conta foi a encontrada no Amapá –por R$ 4,087 em média.

“O comportamento de alta nos preços vem acontecendo desde junho, após as baixas nos preços dos combustíveis durante o pico da pandemia do coronavírus país, em maio. Na primeira quinzena de novembro, após a baixa do mês passado, observamos que os valores estão retomando e chegando a patamares cada vez mais próximos aos registrados no período pré-pandemia”, pontuou Douglas Pina.

Continuar lendo

Destaque 7

Brasiléia Mais Saúde realiza 500 procedimentos no final de semana

Publicado

em

Nos dias 20, 21 e 22 de novembro foi realizada a 10ª edição do Brasiléia Mais Saúde na unidade básica de saúde Tufic Mizael Saady, realizando atendimentos em Ultrassonografia, Ortopedia, Endoscopia e Gastroenterologia. 

O Brasileia Mais Saúde é um programa criado na gestão da Fernanda Hassem e Carlinhos do Pelado com objetivo de dar celeridade aos atendimentos em áreas específicas da saúde, evitando o translado da população para a capital acreana, trazendo médicos especialistas para Brasileia, assegurando conforto e qualidade durante o atendimento aos pacientes. 

No último final de semana foram realizados aproximadamente 500 procedimentos durante os três dias de atendimento do programa. A paciente Maria das Dores ressaltou a importância da realização do programa Brasiléia Mais Saúde. “Os atendimentos são muito bons, a prefeitura está de parabéns, beneficiando a população com os atendimentos”, ressaltou Maria das Dores.

A prefeita Fernanda Hassem, que sempre faz questão de visitar os pacientes e os profissionais do programa, destacou a importância do mesmo. “Esse é um programa inovador que a nossa gestão decidiu investir, onde fazemos as economias necessárias e com recursos próprios, trazemos atendimentos especializados à população que necessita, pois entendemos que além de investir em infraestrutura urbana e rural, o mais importante é o poder público cuidar de vidas, cuidar das pessoas. E é isso que estamos fazendo”, finalizou a prefeita.

Continuar lendo

Destaque 7

Saiba como foram os times acreanos na rodada da Série D

Publicado

em

Foto: Jair Araújo

A participação dos clubes do Acre começou no final de semana da melhor forma possível. No sábado, 21, o Galvez massacrou o Independente do Pará. Jogando na Arena Acreana, o Imperador não tomou conhecimento do adversário e venceu por incríveis 7 a 1.

Com a vitória, o Galvez também já garantiu passaporte para próxima fase da competição faltando uma rodada na fase da atual fase. Os gols do time acreano foram marcados por Daniego (2), Adriano (2), Digão (2) e Felipe. Cocão descontou para os visitantes.

Já o Rio Branco também jogou em casa, na Arena Acreana neste domingo, 22. Só que ao contrário do Galvez, o Estrelão decepcionou e foi derrotado pelo Fast, do Amazonas por 2 a 0, gols marcados Marco Goiano e Ronan. Apesar da derrota, o Rio Branco também já havia garantido a vaga para a próxima fase da competição.

O fechamento da rodada acontece nesta segunda-feira, 23, com a partida entre Bragantino do Pará e Atlético Acreano. O jogo serve apenas como tabela para o Galo Carijó, já que o Atlético é o último colocado no campeonato e não tem mais chances de classificação.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas