Conecte-se agora

Homem é condenado por transporte ilegal de castanheira

Publicado

em

Um homem, com identidade não revelada, foi condenado por crime ambiental, pelo 1º Juizado Especial Criminal da Comarca de Rio Branco. Na decisão é evidenciada a consolidação da apreensão da castanheira, transportada irregularmente, ou seja, sem o Documento de Origem Florestal (DOF). A autoria do fato também recai sobre a pessoa do acusado, que confessou, perante a autoridade policial, ser de sua propriedade a madeira apreendida.

O juiz de Direito José Augusto Fontes salienta ao fundamentar a decisão que “transportar produtos de origem vegetal sem a devida licença concorre para a exploração e destruição da flora, lesionando o bem jurídico”.

De acordo com a denúncia, no ato da apreensão, a castanheira estava sendo transportada por funcionário do réu na Avenida Antônio da Rocha Viana, próximo ao Horto Florestal, sem licença outorgada pela autoridade competente.

Em suas alegações finais, a defesa argumentou que apesar do réu ter admitido ser sua a madeira apreendida sem a licença, praticou tal ato pela escassez de recursos financeiros e a necessidade da madeira para construção de parte da sua casa, sem comprometer o seu sustento.

Ao analisar o mérito, o juiz de Direito afirmou que a materialidade encontra-se devidamente comprovada por todo o conjunto probatório carreado aos autos, notadamente pelo Termo Circunstanciado de Ocorrência, Boletim de Ocorrência e pelos depoimentos colhidos em Juízo.

Desta forma, foi julgada procedente a pretensão acusatória veiculada na denúncia e o acusado foi condenado a pena de sete meses de detenção e 11 dias-multa, a ser cumprida em regime inicialmente aberto, por força do disposto no art. 33, § 2º, “c”, do Código Penal.

Nos termos do artigo 20 da Lei Ambiental, foi fixado o valor mínimo de mil reais para reparação do dano ambiental, que deverá ser destinado ao Pelotão Ambiental da Polícia Militar do Acre para uso em equipamentos e atividades pertinentes às suas atividades de proteção do meio ambiente e de fiscalização de condutas lesivas.

Por fim, ao realizar a dosimetria o juiz José Augusto substituiu a pena privativa de liberdade por uma pena restritiva de direitos, na qual o apenado deve realizar a prestação de serviços à comunidade por três meses, uma vez por semana, em sete horas cada dia, em entidade a ser apontada na Vara de Execução Pena e Medidas Alternativas.
A madeira apreendida deverá ser destinada para o presídio Francisco de Oliveira Conde, a ser utilizada em marcenaria com fim social e de recuperação de detentos.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas