Conecte-se agora

Campanha do PT no Acre arrecadou mais de R$ 14 milhões, mas terminou eleições devendo R$ 1,7 milhão

Publicado

em

Bocalom registrou prejuízos de R$ 255 mil no primeiro turno e prestação de contas do PSDB de Márcio Bittar está incompleta. Antonio Rocha, do PSOL, deve ser o único que registrou sobras na campanha: R$ 31

Há pouco mais de um mês o Acre vivia pela primeira vez a histórica disputa de um segundo turno ao cargo de governador nas eleições de 2014. Candidato a reeleição, Sebastião Viana (PT) se sagrou vitorioso em relação ao candidato do PSDB, Márcio Bittar, com 196.509 votos (51,29% dos votos válidos). O tucano obteve 186.658 (48,71%).

Passada a euforia dos vitoriosos e o choro dos derrotados que fizeram um tour por Manacapuru, o Tribunal Superior Eleitoral divulgou nesta semana  as prestações de contas dos candidatos que disputaram o segundo turno. Os participantes do pleito do dia 26 de outubro, no entanto, tiveram até a última terça-feira (25) para apresentar à Justiça Eleitoral as prestações de contas.

Com os dados disponibilizados, ac24horas fez uma pesquisa minuciosa e revela números astronômicos  para viabilizar uma campanha no Estado.

A campanha do médico Sebastião Viana evidenciou a força do Partido dos Trabalhadores e o poder da “máquina” na captação de recursos. De acordo com o TSE, a Frente Popular do Acre, que comanda o Estado há 16 anos, contou com cinco comitês de arrecadação e obteve, somados todos os valores, R$ 14,6 milhões em doações, cerca de R$ 6,8 milhões a mais  do que as previsões de gastos divulgadas em julho, que eram de R$ 7,8 milhões.

Apesar do número surpreendente, que poderia evidenciar um superávit, a prestação de contas revela que as despesas foram maiores do que a receitas.  Após o segundo turno, a FPA registrou uma despesa de R$ 16,2 milhões e ficou devendo aos seus fornecedores cerca de R$ 1,7 milhão.

Parte considerável da arrecadação foi oriunda de empreiteiras que mantem contratos com o governo e repasses do Diretório Nacional de campanha. As principais empresas financiadoras do PT foram a Albuquerque Engenharia, responsável por injetar R$ 750 mil na campanha, e a JBS, dona da marca Friboi, que depositou na campanha R$ 580 mil.

A Ábaco Engenharia, de propriedade de Sergio Nakamura,  e a MAV Construtora, do empresário José Adriano, presos durante o desdobramentos da Operação G7 no ano passado, também figuram como doadoras da campanha do petista.

O presidente do PT no Acre, Ermicio Sena, confirmou as receitas e despesas pesquisadas por ac24horas e explicou que o Partido tem até o próximo pleito de governo para quitar a divida de R$ 1,7 milhão, mas segundo o dirigente, existe um plano para quitar os débitos até julho do ano que vem.

SEM CONTROLE – Já o candidato derrotado no segundo turno, Marcio Bittar, segundo dados disponibilizados no sistema de prestação de contas, teve uma arrecadação de pouco mais de R$ 1 milhão e despesas na casa dos R$ 960 mil, registrando um superávit de pouco mais de R$ 130 mil.  Em julho, o tucano registrou a previsão de gastos na casa de R$ 5 milhões.

A principal empresa doadora de Bittar foi o Grupo Andrade Gutierrez, uma dos principais financiadores de campanha no país. A empresa desembolsou R$ 240 mil . O restante dos valores são originários de repasses da executiva nacional do PSDB.

Procurado para explicar o caso, Bittar enfatizou que o superávit nas contas tucanas era praticamente impossível. “Olha, eu vou torcer para você está certo, mas que eu saiba não sobrou nada, mas vou te passar o contato do coordenador de campanha para confirmar isso”, disse o deputado federal que está em Brasília cumprindo agenda de primeiro secretário da Câmara.

De acordo com o coordenador da campanha tucana, Marcelli Tomé, os dados disponibilizados pelo TSE estão incompletos.  Segundo ele, o contador do PSDB registrou a prestação de contas na tarde desta quarta-feira, 26, e a coligação não teve sobras de campanha, mas sim um déficit que ele disse não saber o valor exato.

FICOU DEVENDO – Terceiro colocado nas eleições do primeiro turno, o professor Tião Bocalom (DEM) arrecadou durante a campanha cerca de R$ 569 mil, mas teve despesas de R$ 863 mil, ficando com um buraco nas contas de R$ 255 mil. A campanha de Bocalom contou com doações de pessoas físicas e da direção Nacional do DEM.

Ao ac24horas,  Bocalom reconheceu os valores e disse que divida será assumida pelo DEM e os credores já estão cientes disso. “O partido assumiu a divida e já começamos a fazer pagamentos. Ela será quitada de acordo com o que vamos conseguir via nacional”, explicou.

NADA A TEMER: Quem arrecadou menos nas eleições 2014, é o servidor Publico Antonio Rocha (PSOL).  O candidato ao governo que obteve pouco mais de 2 mil votos, arrecadou R$ 8.550,00 e teve despesas de R$ 8.518,40, registrando sobras de campanha de R$ 31,60.

Parte das doações obtidas por Rocha partiu de seu próprio bolso e da Direção Nacional do PSOL.

Para o ac24horas , Rocha disse que o valor que sobrou foi entregue para a executiva nacional do partido. “Eu nunca tive intenção de me endividar. Não sou como os outros, só gastei o que tinha e o dinheiro que sobrou eu devolvi”.

 

Propaganda

Cotidiano

LGBT: desativado em 2018, Acre volta a ter Conselho de Combate à Discriminação

Publicado

em

O Conselho Estadual de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros) foi desativado em 2018. Entretanto, o governo do Acre assinou nessa sexta-feira, 13, decretos que, entre outros assuntos, estabelece a retomada dos trabalhos do Conselho, sediado em Rio Branco.

O decreto foi assinado pelo governador em exercício, deputado Nicolau Júnior. O Conselho busca assegurar os direitos dos cidadãos, nas mais diversas orientações sexuais, e incentiva o respeito à diversidade. Segundo Nicolau, “o governo valoriza todos da sociedade, sem nenhum tipo de distinção”. Para ele, a criação do conselho é muito importante para a garantia e valorização dos direitos humanos. “A volta deste conselho mostra o respeito que o governo tem e com certeza prestará um excelente serviço humanitário para a nossa população”, disse o parlamentar.

O movimento ativista LGBT vê a volta do espaço como um marco importante para o fortalecimento da causa. Germano Marino ressaltou durante a solenidade de assinatura do decreto que o maior desafio será levar o conselho até os 22 municípios do estado. Ao Notícias do Acre, ele informou que “o conselho faz o controle social das políticas e está diretamente ligado a área dos direitos humanos do governo do Estado, ou seja, vamos juntos com o governo trabalhar políticas afirmativas no enfrentamento a discriminação e a violência dessa população LGBT”.

Para Germano, é preciso que o espaço chegue às cinco regiões do Acre. “É importante que seja feita a capacitação e sensibilização de gestores públicos municipais para que possamos diminuir o grau de intolerância e trabalhar uma cultura de paz”, garantiu.

Continuar lendo

Cotidiano

Após ter lotérica arrombada, empresário é avisado que não há perito para investigar

Publicado

em

O proprietário de uma lotérica localizada no município de Sena Madureira foi surpreendido ao ter seu estabelecimento arrombado por bandidos. O caso aconteceu no final de semana passada, durante a madrugada de domingo, dia 8. Os criminosos quebraram uma parte da parede da lotérica. Ocorre que, ao se deslocar até a delegacia para fazer um Boletim de Ocorrências, os proprietários foram informados de que, possivelmente, não haveria investigação para solucionar o caso e localizar os suspeitos.

“Minha filha que administra a lotérica foi na delegacia fazer o B.O. Ficamos surpresos quando ouvimos do delegado de polícia que eles nem tinha perito, nem investigador para acompanhar o caso. O que nos deixou revoltados”, disse o proprietário ao ac24horas, que prefere não se identificar.

O empresário fez um relato de desabafo nas redes sociais diante da informação negativa da polícia civil para com a prisão dos suspeitos de terem cometido o crime. Ele diz que é funcionário de um banco no município e que também possui um pequeno comércio na região. “Ou seja, pago tanto imposto que, a cada dois anos, dá muito bem para comprar uma viatura dessas [se referindo a uma viatura policial]. O que pago de imposto é muito alto”, salienta.

O ac24horas procurou a Polícia Civil do Estado, por meio de sua assessoria, e foi informado pelo Delegado Geral de Polícia que pode ter havido um “erro de comunicação”. Segundo a segurança pública, “apesar de não ter perito em Sena Madureira, ainda, ou uma base da perícia criminal, sempre que os peritos são acionados, eles atendem, tanto a região do Baixo Acre, como Alto Acre e Purus”.

O Delegado Geral de Polícia acredita que o que houve na informação repassada ao empresário foi, de fato, um erro de comunicação. “Sempre que os peritos são acionados, eles vão ao local fazer esse tipo de trabalho”, explica.

Continuar lendo
Propaganda
Propaganda

Mais lidas