Conecte-se agora

Deputado estadual quer a proibição de comercialização e o uso de produtos que contenham amianto ou asbesto no Acre

Publicado

em

Um projeto que proíbe a importação, transporte, armazenamento, industrialização, comercialização e o uso de produtos que contenham amianto, asbesto ou minerais que contenham amianto ou asbesto em sua composição foi apresentado na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac).

O autor da matéria é o deputado Jamyl Asfury (PEN), que considera o amianto um problema seríssimo à saúde, principalmente dos trabalhadores que têm contato direto com materiais que contenham a substância química. “Precisamos os obstáculos da indústria e proibir a entrada do produto no Acre”, diz Asfury.

Se o projeto for aprovado na Aleac e sancionado pelo governador Sebastião Viana (PT), os comerciante terão seis meses para importar e transportar o amianto; um ano para industrialização, armazenamento e comercialização; seis meses para comercialização atacadista e seis meses para uso.

“A exposição ao amianto está relacionada à ocorrência de diversas patologias. Não foram identificados níveis seguros pata a exposição. É uma substância que causa o câncer e asbestose, doença conhecida como pulmão de pedra, que tem causado a morte de trabalhadores”, enfatiza Asfury.

Jamyl

O parlamentar informa que teve acesso a casos de asbestose no Acre. “Conheci uma pessoa que é obrigada a andar com uma bala de oxigênio. Este trabalhador não tem esperança de cura, já que a exposição ao amianto provocou a fibrose e a perda de elasticidade de seu pulmão”, destaca Jamyl Asfury.

O deputado destaque que resolveu pesquisar sobre as doenças provocadas pelos amianto. “É assustador. O trabalhador não sabe manusear ou cortar telhas de amianto, ele está se expondo ao risco de contrair asbestose, câncer de pulmão, câncer de laringe e mesotelioma, entre outras doenças”, afirma Asfury.

Jamyl Asfury justifica que o objetivo principal da apresentação de seu projeto de lei é afastar o risco de contaminação dos trabalhadores da construção civil pelo amianto. “Nossos trabalhadores precisam de uma lei que os afaste do perigo do contato com esta perigosa substância”, finaliza.

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas