Conecte-se agora

Apesar do esforço, transportadoras dizem que governo do Acre forçou tráfego e ‘estourou” a BR-364

Publicado

em

Super Peixe_ABRE_NOVOApesar de todo o esforço de uma equipe do governo do Acre, que durante semanas tentava diuturnamente auxiliar a travessia de caminhões com produtos, na busca de amenizar o desabastecimento do Acre, o resultado, agora com a vazante do Rio Madeira, é criticado pelas transportadoras que trabalham no trecho. Eles preferem o anonimato, mas querem tornar público um problema que dependia da vazante do manancial para aparecer.

Representantes de transportadoras que alegam prejuízos com a cheia do rio madeira, atribuem ao governo do Acre, a responsabilidade pela destruição parcial de um dos trechos da BR 364, onde surgiu um grande atoleiro. O trecho em questão está entre os kms 880 e 882, em Mutum Paraná. Depois que a água baixou o que era asfalto virou lama e buracos.

Sob a condição de que seus nomes não seriam publicados, dois representantes de empresas de transporte de cargas conversaram com a reportagem e afirmaram que o tráfego dos tratores usados pela equipe do Acre para atravessar os caminhões no período crítico da cheia, “estourou” o asfalto.

unnamed

“ Nós recusamos várias vezes de enviar carretas para o trecho porque sabíamos dos riscos de até perdemos os caminhões, mas algumas vezes tivemos que ceder a pressão do governo de lá”, disse um dos representantes.

Durante quarenta e quatro dias, uma equipe da Defesa Civil do Acre manteve uma operação para atravessar carretas que transportavam alimentos e combustível para Rio Branco. Eles usaram um maquinário pesado que arrastava as carretas sobre pranchas, triplicando o peso da carga sobre a rodovia, observou o outro.

O inspetor da Polícia Rodoviária Federal, João Bosco Ribeiro, indagado pela reportagem sobre a denúncia das transportadoras discordou do ponto de vista e defendeu a ação do governo do Acre, que classificou como necessária e emergencial.

“ Ou eles faziam aquilo ou parava tudo. Já pensou se o envio de alimentos e outras cargas fosse totalmente interrompido? O Acre não tinha outra opção, ou faziam o que fizeram ou iriam enfrentar uma situação critica, não só eles, mas o pessoal da ponta do Abunã também”, disse o inspetor.

De Brasília, onde está para reuniões com a diretoria geral do DNIT, o superintendente do órgão para Rondônia e Acre, Fabiano Cunha não quis adiantar informações sobre as obras que serão executadas no trecho e disse que só falaria sobre o assunto quando retornar a Porto Velho.

unnamed (1)

 

 

 

Anúncios

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas