Conecte-se agora

Com redução no FPM, municipios do AM acumulam perdas de R$ 3,8 bilhões

Publicado

em

Em 17 anos, os municípios do Amazonas acumularam perdas de repasses de R$ 3,8 bilhões do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), segundo a Associação Amazonense de Municípios (AAM). Em protesto contra a precária situação financeira dos municípios, a AAM prepara para o dia 11 uma paralisação dos serviços oferecidos nas sedes das prefeituras do interior do Estado para alertar a população sobre o assunto.

O diretor da associação, Luiz Cruz, explicou que a paralisação das prefeituras será um protesto contra a crescente queda do repasse do FPM. “Esta não é uma mobilização apenas do Amazonas, é nacional. Os municípios brasileiros vêm passando por uma série de dificuldades, como, a seca no Nordeste, a cheia no Norte, e que leva os municípios a uma sobrecarga financeira muito grande. Então através da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) iremos apresentar ao Congresso Nacional a pauta de reivindicação para a sobrevivência dos municípios, e que queremos que seja votado até o mês de junho, antes das eleições”, disse.

O presidente da AAM e prefeito de Boca do Acre, Iram Lima (PSD), destacou que, no mês de março deste ano, em comparação com o mesmo período de 2013, houve uma queda de 37,7% no repasse do FPM aos municípios do Amazonas, o que corresponde a R$ 21,6 milhões depositados a menos nas contas municipais.

“Cinquenta e nove dos 62 municípios amazonenses se mantêm, basicamente, com repasses do Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que vêm do Governo Estadual, e do FPM, oriundo do Governo Federal. É irrelevante a receita de tributos municipais, com exceção de Manaus, de Presidente Figueiredo e de Coari. E não adianta a gente ser prefeito e não ter condições de fazer uma rua, por que não tem recursos. E essa falta de recursos não nos dá outra alternativa a não ser demitir parte dos funcionários das prefeituras municipais, pois não tem como fazer algo nesta situação, por isso está havendo essa mobilização nacional para que os prefeitos paralisem suas atividades, por um dia, em sinal de protesto”, declarou o presidente da AAM.

Para o prefeito de Autazes (a 118 quilômetros de Manaus) e vice-presidente da AAM, Wanderlan Sampaio, a renúncia fiscal praticada pelo Governo Federal sob o Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI), no intuito de manter o mercado aquecido e evitar queda na produção e consumo de bens como carros e eletrodomésticos, já representa, de 2009 até o primeiro trimestre deste ano, prejuízos de R$ 158,3 milhões para as prefeituras amazonenses. “Na verdade as demandas da república se concentram nos municípios, pois é lá que os cidadãos residem, e nós estamos incluídos no Amazonas, e estes cidadãos moram em Boca do Acre, em Autazes, e nos demais municípios”, disse Sampaio.

Prefeito cobra liberação de verba

O presidente da Associação Amazonense de Municípios (AAM), Iram Lima, criticou, nesta quarta-feira (02), durante coletiva na sede da entidade, a demora no repasse de verba pelo governo federal para auxiliar as ações da defesa civil nos 15 municípios do Amazonas que decretaram estado de emergência e em Humaitá que está em estado de calamidade por conta da cheia dos rios.

“Sou prefeito de Boca do Acre, e o meu município foi um dos mais afetados com a cheia deste ano, e continuamos numa situação muito difícil. Temos recebido ajuda do Governo do Estado que acionou a Defesa Civil, e assim vamos passando, mas até hoje nenhum dos 15 municípios que decretaram estado de calamidade receberam ajuda do Governo Federal”, disse Iram Lima.

“A água agora que desceu, mesmo assim a situação continua complicada, devido a estrada que liga Boca do Acre ao Acre ter fechado, ou seja, estamos sem combustível, sem remédio e sem alimentos. As pessoas que conseguem comprar 1 litro de gasolina chegam a pagar R$ 15 por litro, quando antes era R$ 3,19. Paramos a coleta de lixo, pois não tem como colocar diesel nos caminhões, paralisamos as aulas, pois não temos como transportar os estudantes, e ainda não está fácil”, relatou o prefeito.

Para o prefeito de Autazes, Wanderlan Sampaio (PMDB), o Governo Federal, sabendo das características da região Amazônica, deveria adiantar a liberação de recursos para que, no período de cheia, a população sofresse menos. “Todos os anos enfrentamos as mesmas dificuldades. E com a burocracia para a liberação de recurso do Governo Federal, a verba só chega no final da cheia. Nós entramos com o pedido. Fizemos tudo que a lei permite e até agora não tivemos nenhum sinal de quando a verba será liberada. Contamos com a sensibilidade do Governo do Estado que não nos desamparou em nenhum momento”, disse Sampaio.

De acordo com a Defesa Civil do Governo do Amazonas, o número de pessoas atingidas pela enchente chega a 56,7 mil, um universo de 11.345 famílias afetadas.

Propaganda

Acre

Gladson vai a Brasília assistir vitória do Flamengo sobre o Vasco

Publicado

em

Acompanhado do seu filhote, Guilherme, o governador Gladson Cameli deixou as terras acreana para assistir neste sábado, 17, a vitória do Flamengo sobre o Vasco, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF).

Gladson registrou o momento em seu microblog, nos stories do Instagram. Devidamente uniformizados com a camisa rubro negra, pai e filho posam pra foto antes da partida.

O placar ficou 4 a 1 para o Flamengo, que contou com o brilho do goleiro Diego Alves que defendeu dois pênaltis no jogo. Os gols foram feitos por Bruno Henrique 41’/1ºT (0-1), Bruno Henrique 05’/1ºT (0-2), Leandro Castan 14’/2ºT (1-2), Gabriel B. 16’/2ºT (1-3), Arrascaeta 37’/2ºT (1-4).

Continuar lendo

Acre

Microsoft muda políticas de privacidade para monitorar áudios

Publicado

em

A Microsoft mudou suas políticas de privacidade para admitir o monitoramento de áudios por funcionários em serviços da empresa. A medida foi tomada após denúncias publicadas na imprensa de que a companhia estava destacando empregados para ouvir mensagens de voz enviadas por meio de aplicações de voz sobre IP, como Skype, ou assistentes virtuais, como a Cortana do Windows.

A nova redação das políticas de privacidade da Microsoft agora admite que ela usa pessoas no processamento de dados para “revisar algumas das predições e inferências produzida pelos métodos automatizados utilizados nos dados de onde essas análises foram feitas”. Entre essas revisões, pequenas “amostras de dados e voz”.

Em termos menos técnicos, os processamentos de dados coletados pela empresa para gerar análises e sugestões não ocorrem somente em sistemas automatizados, como algoritmos, mas também com pessoas ouvindo e conferindo o que os usuários falam ao fazer uma ligação de Skype ou uma consulta à assistente virtual Cortana.

Tal mudança ocorreu, contudo, sem grande divulgação juntamente aos usuários, que muitas vezes não sabem que ao usar esses serviços estarão sujeitos a esse tipo de vigilância pela empresa. O que é feito com esse monitoramento também fica pouco claro, com finalidades como “mostrar anúncios do seu interesse” e “proteger e melhorar continuamente sua experiência”.

Prática comum

A prática de não apenas coletar, mas colocar pessoas para ouvir e monitorar mensagens de áudio de usuários vem sendo apontada como algo adotado por diversas empresas. Nesta semana, a Secretaria do Consumidor do Ministério da Justiça abriu uma investigação contra o Facebook depois que denúncias revelaram esse tipo de vigilância pela rede social, o que foi admitido pelos dirigentes da companhia.

O Google também reconheceu recentemente que ouvia as conversas de usuários depois de denúncias de veículos de comunicação. Após isso, a empresa informou que cessaria esse tipo de conduta.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.