Conecte-se agora

Isolamento

Publicado

em

No dia 19 de fevereiro, o governo dos petistas, depois de 16 anos de poder, informou que caso a enchente do rio Madeira continue, o abastecimento de combustível e de alimentos poderão ser prejudicados no Acre. Sequer o estado produz o suficiente para o seu próprio abastecimento. Um dia, um grande empresário radicado aqui disse-me que é preciso importar todos os gêneros alimentícios: “até o tomate, o alface, a batata, a cenoura são alimentos importados”. A falta de produção do estado, resultado de um verdadeiro marasmo econômico, é condicionada pela falta de incentivos adequados por parte do governo, pouca ou inexistente assistência técnica ao produtor, falta de investimento sério em formação de Capital Humano, falta de industrias e incompetência em dotar o Acre de infraestrutura adequada.

Com 16 anos de poder, o PT nada fez de efetivo e relevante para a infraestrutura de transporte do Acre. As obras de construção e manutenção da BR 364, em mãos petistas, andam a passos de tartaruga  e nunca ficam prontas de fato. Rios de recursos foram, prontamente, desperdiçados na estrada que nunca acaba. Não é preciso ser um especialista para ver que já no verão a BR  estava em péssimas condições, agora, no inverno, é fechada por causa de mais uma cheia no rio Madeira.

Até hoje, por não ter o PT investido recursos de maneira séria e consequente na infraestrutura do estado, fechar a BR 364 é isolar o Acre do resto do Brasil. Uma vergonha, em 16 anos de poder daria tempo suficiente para o desenvolvimento de todas as modalidades de transporte no estado. Um governo estadista faz planos de longo prazo e os executa meticulosamente. Os governos petistas só visam o curto prazo, apagam incêndios e estão preocupados em aparelhar o estado para apenas perpetuarem-se no poder. Não possuem visão de futuro. O Estado do Acre não tem uma ferrovia desenvolvida, não têm hidrovias como deveria ter e a malha rodoviária é precária e incompleta.

Sem infraestrutura adequada, o estado, infelizmente, é mais uma vez vítima do isolamento por causa das alagações rotineiras do rio Acre e do rio Madeira e o isolamento leva ao desabastecimento. São 16 anos de atraso. Inúmeras oportunidades foram perdidas ao longo dos anos petistas. Empréstimos internacionais vultosos, recursos abundantes do governo federal e dinheiro dos altos impostos não serviram para fazer o estado avançar, nada, estamos na mesma rotina de falta de estradas para escoar a produção e falta de apoio técnico consistente no incremento da produção pecuária, da produção agrícola e da industrialização do Acre.

Ficaremos isolados do resto do Brasil até quando? Quando faremos a infraestrutura necessária para trazer progresso para o Estado? Até quando ficaremos a mercê das intempéries passivelmente previsíveis? Até quando o governo do estado inibirá a iniciativa das empresas no Acre? Até quando optaremos por sufocar a produção e tratar produtores como bandidos e invasores como mocinhos ou coitados? Até quando o estado viverá de caridade estatal federal? Quando tomaremos as rédeas de nosso futuro?

Creio que não é justo o que está acontecendo com o povo acreano, ao fechar a estrada o único a prejudicar-se é o Acre, pois é ele quem depende dos demais estados. Um dia o Brasil dependeu da borracha do estado, hoje impera a inação econômica. Um dia o PT vendeu a ilusão da Florestania, uma mera ficção que não deixou sequer estória para contar. Não faltou poder e nem recursos federais para o desenvolvimento do modelo petista, que naufragou pelos próprios deméritos. 

Chegamos a um ponto sem volta. Neste momento, é urgente tirar os petistas do poder com o voto consciente, livre e lúcido. Um voto de confiança em novos homens e mulheres quer darão tudo de si para instaurar uma nova ordem de mudanças para o progresso do Acre. É a confiança que falta para podermos  romper com o marasmo econômico, investir seriamente em infraestrutura, qualificar o acreano e construir uma rede de assistência técnica e incentivos para crescermos, para fincarmos as bases do progresso no Estado. O acreano é um povo sofrido e que merece caminhar de cabeça erguida e orgulhoso por não ter mais o seu estado querido no isolamento. 

* Marcio Bittar é Deputado Federal pelo PSDB/AC, Primeiro Secretário da Câmara dos Deputados e Presidente da Executiva Estadual do PSDB/AC

Propaganda

Destaque Direita

Câmara vai convocar SEMCAS para explicar distribuição de cinco casas para uma única família

Publicado

em

É grande a repercussão do caso que veio à bala através de relatório do Ministério Público Estadual que apontou na manhã de ontem (23) a distribuição de cinco casas do Programa Minha Casa, Minha Vida, para uma única família no Conjunto Esperança II, em Rio Branco. Na manhã de hoje na Câmara Municipal, o vereador Fabiano Oliveira (PP) requereu a secretária municipal de Cidadania e Assistência Social, Dora Araújo, para ser sabatinada e explicar os procedimentos adotados nos benefícios dados à família.

242a021c-f93f-453e-8f04-57000ec0b6c6

A Mesa Diretora acatou o pedido e o requerimento ainda deve passar pela aprovação do plenário para que seja marcada uma data para a convocação da secretária. Segundo o requerimento, a secretária interina da SEHAB, Claudia Pinho Valle, deverá ser convidada para colaborar com as informações.

De acordo o documento divulgado na manhã de ontem (23) na imprensa oficial, uma das beneficiadas, Raquel Pinho, é professora, não morava no local onde as famílias foram cadastradas, é solteira e não tem filhos. O caso foi levado ao Ministério Público Estadual através de informações sobre obras paralisadas pelo Depasa em áreas alagadiças do Beco HIV, no entorno do igarapé Fundo em Rio Branco.

O vereador Fabiano justificou o requerimento informando uma série de denúncias com relação à má distribuição das Casas do Programa Minha Casa, Minha Vida, “que vem deixando de fora centenas de famílias necessitadas e que estão com o aluguel social vencido passando por sérios constrangimentos”, acrescentou.

O debate ganhou adesão até de vereadores que fazem parte da base do prefeito. O vereador Alonso Andrade (PV) aparteou o colega dizendo que não concorda com as irregularidades que vem sendo publicadas com relação a distribuição das casas populares. “O caso é recorrente e merece a atenção desta Casa” disse Alonso.

O vereador Raimundo Vaz disse que é de total interesse do poder público esclarecer os fatos e ainda, contribuir com o município e o estado no sentido de colocar um fim nas questões que vêm causando indignação de quem realmente precisa de uma casa para morar.

“Essa questão precisa ser melhor esclarecida, não podemos mais conviver com todos esses questionamentos e denúncias em uma área social que é de fundamental importância para o desenvolvimento de um estado e um município mais justo”, acrescentou Vaz.

Continuar lendo

Destaque Direita

Famílias que invadiram casas no Rui Lino III responderão por invasão de domicílio, diz Emilson

Publicado

em

As 13 famílias que invadiram as unidades habitacionais no Conjunto Rui Lino III durante o final de semana responderão pelo crime de invasão domiciliar, informou na tarde desta segunda-feira, 23, o secretário de Segurança Pública do Acre, Emilson Farias, durante entrevista coletiva, no Palácio das Secretarias.

4d19d6a7-2022-4dfb-90c0-f59b488f6e90

O secretário acrescentou ainda que os responsáveis pelas invasões foram encaminhados à delegacia para serem ouvidos. A retirada das famílias é feita por policiais militares.

“Houve de fato algumas famílias que entraram de maneira inadvertida e contrariando a própria ordem judicial. Aquelas pessoas estão sendo retiradas daquele local e estão respondendo por invasão de domicílio. Aquelas casas são casas que após uma análise econômica da Sehab, aquiescência da Caixa, será ocupada por quem determina os próprios requisitos da Caixa Econômica.”

A Secretaria de Habitação informou que fez um levantamento sobre a situação das famílias que invadiram as residências e constatou que todas elas são beneficiárias do aluguel social, que está sob responsabilidade da prefeitura de Rio Branco. Ainda de acordo com o levantamento não há atraso no pagamento desses alugueis.
As unidades do Rui Lino III foram construídas com recursos da Caixa Econômica Federal, que também é responsável junto com a Secretaria de Habitação pela seleção das famílias.

“Por mais que compreendamos que são pessoas simples que estão ali, temos que compreender que outras pessoas tão simples quanto elas ou às vezes mais simples podem estar também nesse fila de espera. Por mais que entendamos que essas pessoas que estão ali tem uma situação socioeconômica bastante fragilizada, que estão no aluguel social, elas podem tá passando a frente de pessoas que podem estar numa situação pior do que elas”, completa Emilson Farias.
Algumas das unidades tiveram suas portas e janelas arrancadas e furtadas. Esses casos também estão sob investigação.

Continuar lendo
Propaganda

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.