Conecte-se agora

Pecuaristas presos acusados de abuso sexual de menores estariam tendo regalias na Papudinha; IAPEN nega

Publicado

em

Ray Melo,
da redação de ac24horas
[email protected]

O vice-presidente (afastado) da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre, Assuero Veronez e o pecuarista Adálio Cordeiro, presos na Operação Delivery, da Polícia Civil, acusados de abuso sexual de menores, estariam tendo privilégios, dentro da Papudinha.

A denúncia é do presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Acre, Adriano Marques, postada esta manhã no facebook. De acordo com o sindicalista, os acusados estariam alojados na sala de atendimento jurídico [parlatório] com direito a ar-condicionado. Os pecuaristas teriam recebendo visitas de amigos e parentes, 24 horas por dia.

Os visitantes também não estariam passarem pelos procedimentos de revista, com direito a trânsito por todos os setores. O sindicalista denuncia ainda, que os acusados estariam  recebendo café da manhã, almoço e janta de fora da Unidade Prisional 04 (Papudinha).

“Eles estão num verdadeiro ‘SPA’, enquanto os outros presos, [da mesma operação] estão sujeitos a todos os procedimentos de segurança. Eles estão tendo todas as regalias possíveis autorizadas pela direção”, diz Adriano Marques.

IAPEN NEGA – O diretor geral do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Dirceu Augusto Silva negou que estivessem acontecendo privilégios aos dois pecuaristas presos. De acordo com o gestor, Assuero Veronez teria ficado aproximadamente seis horas em uma sala de convivência até que a cela que ele ia ficar ficasse pronta.

Dirceu Augusto informou ainda, que o pecuarista Adálio Cordeiro não teria ficado na Papudinho. O acusado teria passado mal e teria passado o final de semana internado. O diretor do Iapen chegou a insinuar que o pecuarista tenha ficado no pronto atendimento da Unimed, mas em seguida desconversou.

Direceu negou ainda, que Veronez tenha saído da unidade penitenciária para fazer suas refeições.

 

 

Propaganda

Acre

Acre tem 13 psicólogos, 5 professores de tiro e 2 armeiros

Publicado

em

Há 13 psicólogos, dois armeiros e 5 instrutores de tiro autorizados pela Polícia Federal a preparar o cidadão para possuir uma arma no Acre, que está entre os Estados onde ter armamento mais cresceu no País nos últimos anos quando se leva em conta a população de cada Unidade da Federação.

Esse fenômeno deve ser potencializado pelo principal item do decreto do presidente Jair Bolsonaro, que leva em conta a taxa de homicídio por 100 mil habitantes. O Acre é o 2º no ranking de enquadramento à lei Bolsonaro, perdendo apenas para o Rio de Janeiro.

Um levantamento realizado pelo jornal O Globo aponta que o gasto pode variar entre R$ 4 mil e R$ 10 mil, considerando três capitais brasileiras. O valor é bem mais do que a renda média da população, estimada atualmente em R$ 754.

Etapas – passo a passo para obter uma arma

1. Pedido na Polícia Federal

Em primeiro lugar, é preciso obter uma autorização da PF para possuir uma arma. Para isso, o cidadão deverá apresentar seus antecedentes criminais

2. Avaliação psicológica

Somente um profissional credenciado pela PF poderá emitir um laudo atestando a capacidade psicológica do cidadão. O documento tem validade de um ano

3. Capacidade técnica

Caso possua capacidade de manusear armas, o cidadão deve realizar um teste, feito por um instrutor credenciado. Caso não possua, deverá realizar um curso básico de tiro. Esse atestado também tem validade de um ano

4. Compra

Ao adquirir o item, o comprador deve levar a nota fiscal à PF para registrar a arma. Esse documento tem validade de cinco anos. Depois disso, o cidadão deve voltar à loja para retirar a arma. Ele receberá uma autorização para o transporte até o local onde ficará.

5. Tempo

O processo todo leva entre três e quatro meses.

Continuar lendo

Acre

FPA quer espaço de honra na Mesa Diretora para apoiar Nicolau

Luiz Gonzaga (PSDB) é o preferido entre oposicionistas para ocupar a primeira-secretaria

Publicado

em

Os 11 deputados estaduais eleitos em outubro pela Frente Popular do Acre (FPA) bateram o martelo, em reunião realizada na manhã desta quarta-feira, 23, sobre quais cartas vão colocar na mesa das negociações para a eleição de presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), que deve ocorrer na primeira semana de fevereiro.

O grupo quer ser acomodado em pelo menos um dos quatro cargos mais importantes da Mesa Diretora: a presidência, a primeira vice-presidência, a primeira-secretaria e a segunda-secretaria. A presidência e a primeira-secretaria estão descartadas por serem cargos já destinados aos parlamentares da base de sustentação do governador Gladson Cameli (Progressistas).

Aos oposicionistas, portanto, restam os cargos de vice-presidente e de segundo-secretário. O primeiro tem um peso pelo seu simbolismo político. Na ausência do titular da cadeira, o vice é quem comanda os trabalhos em dias de sessões no plenário e pode representá-lo em eventos oficiais.

Já o segundo-secretário pega uma sobra da primeira-secretaria como cargo executivo, de gestor. O primeiro-secretário é uma espécie de prefeito da Casa, tendo poderes de também gerenciar o orçamento. Ao todo, a Mesa Diretora é formada por nove funções, sendo sua distribuição feita conforme a representação dos partidos ou bancadas.

Os quatro mencionados são apontados como as joias da coroa, e motivo de muita negociação política nos bastidores. A composição de uma Mesa plural, como os oposicionistas assim a definem, é apontada como fator de peso para o candidato do governo à presidência da Aleac, Nicolau Júnior (Progressistas), contar com uma votação unânime.

“Quem quer fazer composição tem que sinalizar pelo menos com um desses espaços. Para que ocorra a sinalização de nosso apoio a quem deseja ocupar a presidência, num desses espaços queremos nos ver”, diz Edvaldo Magalhães (PCdoB), que retorna ao Parlamento após já ter sido líder do governo Jorge Viana (1999-2006) e presidente da Casa (2007-2010).

“Nós queremos, como oposição, pluralidade na representação da Mesa que é para garantir, digamos, o ritual democrático dos processos para não ter rolo compressor. Não queremos tratar a eleição da Mesa como uma disputa entre governo e oposição, mas uma disputa da Casa”, ressalta Magalhães.

O desejo dos deputados que integrarão a bancada de oposição é ocupar ao menos três dos nove cargos da Mesa. Até o momento o grupo ainda não definiu quais são os nomes a ser apresentado aos negociadores do processo de eleição da Aleac. Essa definição ocorrerá em nova reunião que acontece na segunda (28).

Na tarde desta quarta, os deputados da Frente Popular farão nova reunião, desta vez com Nicolau Júnior para apresentar suas reivindicações para compor uma Mesa plural.

Outra informação que será levada a Nicolau é o apoio, entre a maioria dos deputados eleitos da Frente Popular, ao nome de Luiz Gonzaga (PSDB) para a primeira-secretaria. O segundo cargo mais importante do Legislativo é motivo de disputa entre os governistas, com o tucano liderando as indicações.

O tucano tem o apoio do vice-governador, Wherles Rocha (PSDB). Com essa sinalização dos oposicionistas, é provável que Gonzaga ganhe ainda mais forças no cabo-de-guerra pela primeira-secretaria.

Continuar lendo

Acre

Bolsonaro prepara pacote de desenvolvimento da Amazônia

Publicado

em

A equipe do presidente Jair Bolsonaro prepara um decreto para a criação de um programa de desenvolvimento da Amazônia, considerada estratégica para o novo governo e vista por militares como um ponto de vulnerabilidade nacional. Batizado de Projeto Barão do Rio Branco, o plano prevê a construção de uma usina hidrelétrica no Rio Trombetas, uma ponte sobre o Rio Amazonas, no município de Óbidos, e a conclusão da rodovia BR-163 até a fronteira com Suriname, todos no estado do Pará. As informações são de O Globo.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2017 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.