Conecte-se agora

Sem simpatia

Publicado

em

Nunca votei nos candidatos do PSDB, não nutro simpatia por seus políticos, arrogantes, donos da verdade, mas, como jornalista, eu não posso deixar de me furtar a comentar que, se a pesquisa do IBOPE vier com os números que falam pela cidade será um escárnio á verdade.

A forma
Da forma como o questionário foi montado não há como o resultado não sair bichado, qualquer amador ao ler sente isso. E se for publicado, longe de prejudicar, vai bombar a arrogância dos tucanos. Terão bandeira para um carnaval no horário eleitoral. Depois me digam. Serão que entre os seus adversários não há ninguém para fazer essa leitura, que estão dando bala para a arma do adversário?

Muro baixo
Rio Branco é cidade de muro baixo se sente a tendência eleitoral nas ruas, no dia a dia e, qualquer pesquisa que vier com números fora da realidade a população vai condenar.

De maneira alguma
Mesmo tendo minha preferência eleitoral (quem não tem?), antes de tudo sou jornalista e como tal seria uma omissão que me faria mal até como cidadão entrar nessa cazumbamba.

Nem dúvida
E não tenho nem dúvida que a publicação de uma pesquisa irreal causará sérias revoltas na opinião pública e, ao invés de ajudar quem for bombado para cima, só lhe causará prejuízos.

Erra tudo
Fosse o Marcus Alexandre (PT), Tião Bocalon (PSDB) e Fernando Melo (PMDB), os três candidatos de ponta da campanha para a prefeitura de Rio Branco não me preocuparia com essa pesquisa do IBOPE. Desde que começou a pesquisar, no Acre, para prefeito da Capital, o IBOPE não acertou uma. Os seus erros foram tão discrepantes que viraram piada política.

Cretinice maior
Agora cretinice maior que tudo isso é dirigente da oposição debitar “ao dedo do Tião Viana” se o IBOPE trouxer sua gestão em alta popular, pois, a sua influência nesse aspecto é zero.

Não precisa
Até porque a gestão do Tião Viana sempre apareceu em todas as pesquisas domésticas da oposição num alto patamar de aceitação popular e não haveria motivo para manipular nada.

Árvore de dinheiro
O candidato a prefeito de Rio Branco, Tião Bocalon (PSDB), só pode ter uma árvore que em vez de frutos dá notas de cem reais. Só pode ser, porque o que promete para a cidade, só tendo essa árvore. Só falta prometer uma colônia de férias na lua aos acreanos com tudo pago.

Contabilidade do PMDB
A contabilidade do PMDB dá como certas as vitórias em Brasiléia, Cruzeiro do Sul, Porto Walter e Mâncio Lima. E disputando com chances reais em Sena Madureira e em Porto Acre.

Desfilou de tamanco
O ex-prefeito Luiz Elosman (PP), que começou como favorito, cometeu o erro de subir nos tamancos e achar que por ter sido um bom prefeito a campanha estava ganha, e não é assim.

O que impressionou
O que mais impressionou o deputado federal Flaviano Melo (PMDB) foi o crescimento da campanha do prefeito de Mâncio Lima, Cleidson Rocha (PMDB), que considera espetacular.

Estamos de olho
37-38 e 37-36, números publicados na coluna anterior, são referentes aos lotes de compra de remédios num município vizinho. Se for homologada a licitação, aí eu vou contar essa história.

Tiro no pé
O candidato do PSDB, Tião Bocalon, deu um tiro no pé ao brigar com o Pastor da Igreja Batista do Bosque, Agustinho. Não mistura religião com política, mas como cidadão ele lhe tira votos.

Assim se faz
O que merece elogios no Pastor Agustinho é não levar um candidato aos seus cultos e não se falar de política nas pregações. Diferente de outros que fazem das igrejas currais-eleitorais.

Pato novo
O deputado Jamil Asfury (PEN) mal chegou ontem na base do governo e já posa como “interlocutor” do Tião Viana. O que não é verdade. Jamil, pato novo não mergulha fundo.

Nas cabeças
Não tenho dúvida que a Lene Petecão disputa com chance de vitória uma vaga de vereadora na coligação PMDB-PSD. É o que ouço. Mesmo fora da política ela é educada e simpática.

Pesquisa na rua
Na segunda-feira o instituto DELTA (acertou tudo na eleição passada) inicia sua rodada de pesquisas sobre a eleição para prefeito na Capital e nos demais municípios do Vale do Acre.

Rodada no Juruá
E na semana seguinte pesquisará nos municípios do Vale do Juruá. Os resultados serão registrados na justiça eleitoral e publicados pela imprensa.

Gostem ou não
Pelo lado da oposição, gostem ou não, a grande revelação política, disparado, é o deputado federal Gladson Cameli (PP). Amadureceu, gosta de fazer política, e tirou o PP do buraco.

Opinião pessoal
Hoje (estou dizendo hoje) se alguém tivesse que ir para o segundo turno seria Tião Bocalon (PSDB) e Marcus Alexandre (PT). Quanto ao Fernando Melo (PMDB) ainda patina nos números.

Quem agrada
Terça-feira começa o horário eleitoral no rádio e na televisão. Já vai dar para sentir qual o melhor programa, o melhor jingle, e que candidato se apresenta com maior simpatia.

Poucos sabem
Não foi nada gratificante o motivo pelo qual o prefeito do Bujari, Padeiro, trocou o PMDB pelo PSB. Foi por seu filho não ser mantido no gabinete do deputado federal Flaviano Melo (PMDB).

Depois de eleito
O seu filho foi mantido no cargo quando estava fora do poder, com o Padeiro de volta à prefeitura do Bujari, não havia mais motivo para mantê-lo. Aí o Padeiro fez birra e saiu.

Pedido atendido
A pedido dos leitores, aí vai: “Mainha (PV) para vereador”. Vai que é tua, Mainha!

Sorte grande
O PT tirou sorte grande em ter um Tião Viana no governo, por ser político, fazer política, e estar sempre junto do povo, não fosse isso essa eleição municipal seria o sepulcro do PT.

Três mulheres
Por coincidências são três mulheres os destaques do governo Tião Viana. Márcia Regina, no Gabinete Civil, Ilmara Rodrigues no Turismo e; Sawana Carvalho, no DETRAN. Minha opinião.

Time mequetrefe
Time mequetrefe, esse do Atlético Acreano! É para disputar o peladão do Calafate.

Jogar tudo
O PMDB vai jogar tudo a partir dessa semana para derrubar a candidatura do Carlinhos da Saúde (PSDB) a prefeito de Porto Acre e fazer subir a do Bené Damasceno (PMDB)

Muito difícil
Pelo que ouço de fontes seletas do PMDB será difícil o Tião Bocalon (PSDB) ter o apoio aberto do partido se Fernando Melo (PMDB) não for ao segundo turno. Os assessores porraloucas do Bocalon armaram tudo que é de ruim para detonar a candidatura do Fernando Melo (PMDB).

Defesa da juíza
A decisão da Juíza Eleitoral Maha Manasfi de suspender a publicação da pesquisa do IBOPE deve ser discutida pelo lado jurídico e não pelo político. A magistrada é conhecida pela sua extrema seriedade. O questionário é sim altamente tendencioso. Sua Liminar não sairia nos termos que saiu se não houvesse fundamento jurídico. É uma tremenda bobagem de que, ela quer prejudicar A ou B, o partido da Maha é a lei. E outra coisa, é sim na justiça que as questões são resolvidas, onde não há um Judiciário forte e presente prevalece a ditadura. E decisão judicial não se discute, se cumpre ou se recorre.

Luis Carlos Moreira Jorge

Propaganda

Blog do Crica

Com que cor de roupa a Socorro vai para a eleição? 

Publicado

em

A prefeita Socorro Neri está com um abacaxi no colo que tem de descascar no mês de janeiro, que já está batendo na porta para entrar: qual será a sua composição política para a eventual disputa da reeleição? Até aqui se esquivou em entrar neste debate – no que não lhe falece razão – tinha que se dedicar só à gestão da PMRB este ano, mas não pode mais alongar a sua decisão. Quanto mais retardar, maiores serão as especulações. Até porque não tem muitos caminhos a seguir. Ou se junta ao PT e seus puxadinhos, e como contrapeso leva o desgaste deste grupo para o seu palanque ou busca alianças alternativas. Nas alternativas está uma coligação do PSB com o PSD, e dependendo das conversas até com o MDB. O senador Sérgio Petecão (PSD) disse ao BLOG DO CRICA que conversou com o deputado federal Flaviano Melo (MDB) sobre o assunto e este se dispôs a abrir discussão. O presidente do diretório municipal, deputado Roberto Duarte (MDB), também já disse que admite conversar. Uma coligação com dois partidos importantes, sem o desgaste da derrota da última eleição, com lideranças de peso na capital e chapas para vereadores fortes é uma opção tentadora. Chegou a hora de ser perguntar: com a qual cor da roupa que vai a prefeita Socorro Neri á eleição de 2020? O guarda-roupa tem de ser aberto em janeiro. Depois disso a roupa mofa. 

ROMPIDOS DEFINITIVAMENTE

Os dois partidos já não se entendiam, depois dos ataques proferidos pelo vice-governador Major Rocha (PSDB) contra o prefeito Mazinho Serafim (MDB), as reações deste e dos deputados Antonia Sales (MDB) e Roberto Duarte (MDB), devolvendo os ataques, o rompimento entre MDB e PSDB passa ser não só em Sena Madureira, mas em todo Estado.

CAMINHOS DIFERENTES

Mesmo porque os caminhos são diferentes, tanto o MDB como o PSDB miram as eleições municipais, com reflexo maior para a disputa do Senado e do Governo, em 2022. O que tudo isso embute? Resposta simples: o desmoronamento da aliança que elegeu o atual governador.

O QUE ESTAMOS VENDO? 

Estamos vendo a aliança que elegeu o atual governador se desmoronar de forma prematura, antes de completar um ano de governo. E o próprio governador, que seria o primeiro a lutar para manter incólume o seu arco de aliados; chuta o balde, quando troca farpas com o senador Sérgio Petecão (PSD). Não é o caminho certo para quem tem aspirações em 2022.

ROMPANTES DE CENSURA

O espírito da censura, lamentavelmente, baixou no líder do governo, deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS), que poderia fechar o seu ano eleitoral com a chave de ouro; porque foi atuante, mas com seu rompante ditatorial,  ele vai fechar com um ato negativo. Uma CPI para apurar notícias falsas sobre o projeto do Instituto da Saúde? Desencarna deste encosto, Gerlen!

LAMENTÁVEL

E isso é mais lamentável, porque o Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS) até aqui se mostrou um deputado do debate, bom tribuno, bom deputado, e troca isso por um ato emocional com arcabouço ditatorial. Vai controlar as redes sociais? Vai controlar a oposição? A mídia? Nunca!

ESTAMOS NUMA DEMOCRACIA

Ninguém mais do que o deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS) teve um mandato crítico contra as posturas dos governos do PT de perseguição, de rancor com os adversários, por isso é o político menos indicado para buscar meios não ortodoxos de procurar calar a oposição.

INSTITUTO DA SAÚDE

Vamos colocar os pingos neste projeto do Instituto da Saúde. Pode absorver, mas não resolve juridicamente a situação dos servidores do PRÓ-SAÚDE, os incluindo no quadro efetivo do governo e nem reverte a sentença do MTB que foi pelas suas demissões. Os servidores que forem para o órgão não perderão vantagens. Não significa obrigatoriamente na terceirização de todo o sistema de Saúde. O funcionário só adere ao Instituto se quiser. E se não for aprovado, o Estado terá que demitir. O Instituto não pode é ser vendido como a varinha de condão que vai resolver todos os problemas de má gerência da SESACRE. O resto é firula.

DEMOCRACIA É CONTRADITÓRIO

O que não se pode é querer demonizar os deputados de oposição e os chamados “independentes”, por terem outro entendimento, de que o projeto será maléfico para o servidor. A ALEAC é uma casa de debates, não é uma casa do amém e sim senhor ao governo.

EXPOSTO E SEM ÊXITO

Indo para outro contexto. Foi uma derrota do líder do governo, deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS), que queria a matéria sendo votada ontem e não retirada. E foi quem mais teve abalo na imagem por ser o único a se expor na tribuna no debate com os manifestantes.

NEM A BASE ESTAVA COESA

O presidente da ALEAC, deputado Nicolau Junior (PROGRESSISTAS), ao retirar o projeto da pauta de votações, evitou um desgaste do governo, porque muitos deputados da base estavam se recusando votar, ressabiados com o desgaste sofrido ao votarem na PEC da Previdência. Refugavam por se desgastarem com os servidores da Educação, na aprovação da PEC da Previdência, e agora com a categoria da Saúde. Gato escaldado tem medo de água fria. 

VOTOS CONTRÁRIOS

Pelo que se ouviu nos bastidores da ALEAC ontem, seis deputados da base do governo estavam propensos a não votar na matéria. Os deputados Neném Almeida e Luiz Gonzaga (PSDB) estavam neste grupo. Dedução: a unidade da base morreu na PEC da Previdência. 

VAMOS VER A GESTÃO

A senadora Mailza Gomes (PROGRESSISTAS) destinou 16 milhões de reais para a SESACRE, a serem aplicados em reformas de unidades de Saúde, compra de equipamentos para os hospitais e de VANS para atender os pacientes do TFD. Agora é cobrar da gestão da pasta

FALTOU O CONTRAPONTO

O fato de deputados da oposição terem vendido a aprovação do Instituto de Saúde com a falsa premissa de que a sua aprovação redundaria no fim dos concursos, prejudicaria os servidores, deveria ter sido combatida com o contraponto da base do governo, faltou a combatividade.

NÃO ENTRO NUNCA NO PESSOAL

Neste episódio, lamentável as falas como a de um sindicalista de que o governador estava com o capeta e tem como meta destruir os servidores, e com agressões pessoais. Posso discordar no campo das idéias, de decisões tomadas, mas não entro e condeno os ataques ao pessoal.

O MUNDO ESTAVA ACABANDO

Comentava ontem com colegas as falas dos deputados Jenilson Lopes (PSB) e Edvaldo Magalhães (PCdoB), sobre o projeto do Instituto de Saúde. Em transes messiânicos pregavam na tribuna da ALEAC, como se a aprovação redundasse no fim do mundo e dos funcionários públicos. Como conhecedor do que estava sendo votado, coloquei no balaio do cômico.

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA

A MP da Regularização Fundiária do presidente Bolsonaro, defendida pelo deputado federal Alan Rick (DEM), será importante para o Acre, onde a falta de documentação da terra acarreta um prejuízo para o produtor de ter acesso ao crédito dos bancos para as suas atividades.

PESO DAS COSTAS

Ao fim da sessão, ao encontrar com um deputado da base do governo antes de entrar no elevador, este colocou a mão no meu ombro e comentou: “ao retirar este projeto o presidente Nicolau me tirou um peso das costas, não entraria em mais um desgaste”. E saiu lépido rindo.

OPOSIÇÃO PROPOSITIVA

O deputado Daniel Zen (PT) fez três colocações pragmáticas em meio aos debates de ontem na ALEAC, sobre a Saúde: pagar os médicos por produtividade, descentralizar as decisões da SESACRE (dando autonomia financeira a gestores das unidades para pequenas compras) e só terceirizar serviços médicos de alta complexidade. Espera-se que o governo ao menos analise.

CARA DA MÔNICA

Para o deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB), o projeto do Instituto de Saúde tem a “cara da Mônica”. Se referiu não à personagem dentuça da revista infantil “A Turma da Mônica”, mas á a figura da ex-secretária Mônica Feres, defensora da terceirização. “Este projeto veio da Secretaria de Saúde, mas não tem a cara do secretário Alysson Bestene”, disparou Magalhães.

ESPERANDO A CONJUNTURA

O vereador Rodrigo Forneck (PT) me disse ontem que permanece na base da prefeita Socorro Neri, que defende a sua aliança com o PT, mas ressaltou que, se o seu partido tiver candidatura própria à PMRB, neste caso entregará a função de líder da prefeita na Câmara.

QUANDO JANEIRO CHEGAR

A prefeita Socorro Neri só fala sobre sucessão quando janeiro chegar. Posição a ser respeitada.

PODE SER FATAL

A aprovação da PEC da Previdência era essencial, até para pagar os aposentados e pensionistas, Mas deixou um desgaste forte do governo na área da Educação. O Instituto da Saúde se aprovado também deixará um desgaste entre os servidores da Saúde. Desgastes em categorias numerosas do funcionalismo pode ser fatal a quem o governador apoiar à PMRB.

HOMEM DO CAMPO

A deputada federal Vanda Milani (SD) tem cumprido o seu discurso que voltaria seu mandato também para o homem do campo, destinou 2 milhões de reais para a adequação de ramais do município de Xapuri. O investimento vai beneficiar oito comunidades rurais, três escolas, uma unidade de Saúde, localizados em assentamentos e unidades de conservação.

FRASE DO DIA

“Se o adversário é uma formiga trate-o como um elefante”. Ditado turco.

Continuar lendo

Blog do Crica

O glorioso do Dr. Ulysses Guimarães pede passagem 

Publicado

em

O MDB tem cumprido um papel que também deveria ser cumprido por todos os partidos políticos que querem chegar ao cenário eleitoral de 2020 e 2022, como protagonista. Descolou-se da sombra do Palácio Rio Branco, e optou por buscar um caminho próprio na eleição municipal do próximo ano. O presidente do MDB, deputado federal Flaviano Melo (MDB), uma das cabeças mais lúcidas da política acreana, sabe que com o fim das coligações proporcionais não restou aos partidos ao não ser terem candidaturas próprias a prefeito, para dar palanque à chapa dos que vão disputar vagas nas Câmaras Municipais. E até para manter a sua identidade. Servir de puxadinho numa candidatura única a prefeito da capital para agradar ao partido que está no poder, seria um erro que lhe custaria muito caro no futuro. O MDB tem hoje certos 16 candidatos a prefeito, inclusive, nos dois maiores colégios eleitorais. O Flaviano, de formação engenheiro, sabe que não há outro resultado para a equação de 2022, quando estarão em jogo as vagas do Senado e Governo, que não passe por um bom resultado na eleição de 2020, quando não necessariamente deverá se repetir a aliança que elegeu o atual governador. A tese da unidade eleitoral dos partidos que formaram a aliança que elegeu o novo governo é uma roubada política, só interessa á sigla que está no Palácio Rio Branco. O MDB, acertadamente, não entrou nesta arapuca. O Glorioso Dr. Ulysses Guimarães pede passagem e entra na passarela da disputa municipal. O desfile vai começar.

VOTOS FECHADOS PELA SEGURANÇA

Os senadores Sérgio Petecão (PSD), Mailza Gomes (PROGRESSISTAS) e Márcio Bittar (MDB), não só são votos fechados a favor da prisão em segunda instância, mas têm sido favoráveis à todas as matérias que têm tramitado no Senado pelo endurecimento das leis penais.

DELAÇÃO PREMIADA

Para um bom entendedor a meia palavra basta. Pelas declarações feitas ontem pelo ex-presidente da EMURB, Jackson Marinheiro, ele está guardando as cartas maiores para uma futura delação premiada, e um dos alvos fixos será o ex-prefeito Marcus Alexandre (PT).

TRANSPARENTES NAS AÇÕES

O Delegado Geral de Polícia Civil, Henrique Maciel, ligou ontem para esclarecer sobre nota da coluna, garantindo que Manuel Urbano tem sim um Delegado efetivo. E que as reclamações podem ter sido feitas por algum dia ele estar ausente do município. Isso se chama de transparência. É um exemplo para quem exerce cargo público. Fica feito o registro e correção.

QUAL SERÁ O PRÓXIMO CAPÍTULO?

O IAPEN ganhou mais uma das brigas judiciais travadas contra a Juíza Luana Campos. A recente decisão do desembargador Samuel Evangelista, mandando retirar as tomadas elétricas das celas do complexo Fernando de Oliveira Conde, foi vista como endurecimento contra o crime.

MANDATO ATIVO

A deputada Meire Serafim (MDB) tem mantido um mandato ativo. Apresentou ontem dois projetos importantes na área de saúde, amparando os pacientes de Fibromialgia e Trobofilia. Os dois projetos criam condições para atendimento prioritário aos portadores das doenças.

TAMANHO DA MISERABILIDADE

Não se debite este número negativo como de responsabilidade do governo estadual, com apenas um ano no poder. Vem desde governos petistas. Mas o que, quer se comentar não é de quem é a culpa, mas sim que o fato de que ter 86 mil famílias recebendo o Bolsa-Família, no Estado, não é um dado para se comemorar, mas lamentar, porque mostra o grau de pobreza.

SEGUNDA INSTÂNCIA

Deverá ser restabelecida a prisão em segunda instância, é o que mostram os entendimentos entre a Câmara Federal e o Senado, uma agenda que avança rápida e deve ser fechada nos primeiros meses de 2020, quando todos os ciclos estarão cumpridos nas duas casas.

 POLÍTICA VELHACA

O TSE aprovou o funcionamento do 33º partido político, o chamado “Unidade Popular”. Num país que tem este número de partidos, não se pode esperar nunca a seriedade na política.

SAMBA DO PARAÍSO

Quem ouve o líder do governo, deputado Géhlen Diniz (PROGRESSISTAS), na tribuna da ALEAC e não conhece o enredo do samba há se imaginar que vivemos no paraíso terrestre. Este mesmo samba do paraíso se ouvia no governo passado, e todos sabem com tudo terminou. 

ESCANCARANDO A REALIDADE

O relatório do CRM, apontando falta de médicos, de medicamentos, de equipamentos no Pronto Socorro, é um perfil da realidade do atendimento nos sistema de saúde. E não me venham dizer ser o CRM um adversário do governo. Tenham a humildade de reconhecer.

QUEM NÃO AJUDA É O BAJULADOR

O governo passado foi um desastre no atendimento na área da Saúde. O atual governo não conseguiu mudar esta realidade. Vamos parar com o cacoete que todos que apontam falhas querem o mal do governo. O que não ajuda um governo é a legião de bajuladores que o cerca.

TAPAR O SOL COM A PENEIRA

O governador concluiu e pôs em funcionamento o Pronto Socorro, obra que se arrastava há 10 anos nos governos petistas, a UPA de Cruzeiro do Sul, não se desconhece seus esforços para a Saúde dar certo, trocou secretários, mas não se pode tapar o sol com a peneira ao dizer que está tudo maravilhoso.  Ninguém é pelo pior melhor, só não se pode esconder a realidade.

O MESMO DISCURSO

Colega jornalista observava ontem no aquário da ALEAC a similaridade no discurso entre os que dirigiram a Segurança no governo passado e os atuais dirigentes. A população apavorada com a violência sem controle e os dirigentes do governo petista mostrando números e dizendo que a situação melhorou. Os mesmos argumentos para situações idênticas se repetem agora.

UMA VOZ NO DESERTO

O líder do governo, deputado Géhlen Diniz (PROGRESSISTAS), defende o governo com ardor, competência, mas praticamente é uma voz solitária na base do governo. Raramente, um ou outro colega vai à tribuna lhe ajudar a rebater a oposição. Virou uma voz solitária no deserto.

PIRÂMIDE INVERTIDA

Neste contexto dos debates, acontece na ALEAC uma situação de pirâmide invertida. A oposição, com sete deputados, consegue ser mais protagonista nas discussões no plenário do que a base do governo, com seus 17 deputados, que aceitam o bônus, mas recuam o ônus.

DISCO ARRANHADO

O disco da defesa do líder do governo, deputado Gerlen Diniz (PROGRESSISTAS), já furou. Depois de um ano no poder não cabe mais o argumento – embora verdadeiro – que o último governo foi um festival de fracassos, o atual governo, precisa começar apresentar resultados.

NÃO RESOLVE JURIDICAMENTE

O projeto do Instituto da Saúde, que deve ser votado hoje, até tem a boa intenção de buscar uma saída para os servidores do PRÓ-SAÚDE, mas não vai resolver juridicamente a situação desses servidores, cujos contratos foram considerados irregulares pela Justiça do Trabalho.

ARGUMENTO PESADO

Os deputados governistas têm usado um argumento pesado para justificar a aprovação do referido projeto: se for derrotado no plenário, não existirá saída ao governo ao não ser demitir os mil servidores que restaram do PRÓ-SAÚDE. O argumento é recusado pela categoria.

GALERIAS VÃO LOTAR

A tendência é que as galerias da ALEAC fiquem lotadas hoje de servidores para protestar contra a aprovação do projeto do Instituto da Saúde. Mas, em que pesem os duros protestos, a ordem que veio do Palácio Rio Branco é para a matéria seja aprovada ao toque de caixa.

CANDIDATO CERTO

O empresário Jarbas Soster será mesmo candidato a prefeito de Rio Branco na eleição do próximo ano, pelo AVANTE. Quem garante é o presidente do partido, Manoel Roque.

FRASE DO DIA

“Quando mil pessoas afirmam uma coisa, ou é a voz de Deus ou uma grande besteira”. Ditado italiano.

 

Continuar lendo
Propaganda
Propaganda

Leia Também

Mais lidas