Conecte-se agora

Senadores pedem pressa ao governo para tirar imigrantes haitianos do ‘limbo’

Publicado

em

Em audiência pública na noite desta segunda-feira (13), senadores, autoridades do governo federal – incluindo o secretário-executivo do Ministério da Justiça, Luiz Paulo Barreto – e representantes do Acre e do Amazonas debateram a situação dos imigrantes haitianos que têm chegado ao país desde 2010. De acordo com os depoimentos, a situação no estado do Acre já está quase solucionada, mas na Amazonas o problema continua, com imigrantes em condições precárias.

O encontro foi conduzido pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), senador Fernando Collor (PTB-AL).

O senador Eduardo Braga (PMDB-AM), autor do requerimento que pediu a realização da audiência pública, disse que, inicialmente, 456 haitianos chegaram a Tabatinga (AM) em 2010. Em 2011, outros 1.898 entraram no país pelo município. E, acrescentou, apenas no primeiro mês de 2012, outros 1.460 aportaram na cidade. Desde que a resolução que concedeu visto humanitário foi publicada, em 13 de janeiro, outros 347 chegaram, mas estão em um impasse jurídico.

– Tabatinga se transformou no limbo dos haitianos. Coiotes financiam imigrantes e cobram altos juros, inclusive detendo familiares para poderem cobrar a dívida – disse o senador, que apelou a Barreto por uma decisão rápida do governo para o caso.

Para Eduardo Braga, ou governo concede logo os vistos e acolhe essas 347 pessoas, facilitando inclusive o transporte delas até Manaus para tirá-las desse limbo, ou os leva de volta ao Haiti. O senador apelou ao Ministério da Justiça no sentido de se atender os cerca de 4.500 haitianos que ainda estão no Amazonas, principalmente em Manaus, alguns “mendigando e pedindo esmolas nas ruas”.

Em resposta, Luiz Paulo Barreto garantiu que o Ministério da Justiça está estudando e encontrará solução para os haitianos que “estão no limbo”, inclusive os 347 que ainda estão em Tabatinga. Ele explicou que esses migrantes estavam em trânsito quando da edição da resolução normativa. Barreto também prometeu investigar a informação de Eduardo Braga sobre um grupo criminoso que estaria financiando essas viagens de haitianos e extorquindo essas pessoas e seus familiares.

Barreto foi instado por Collor e outros senadores e garantiu que uma reunião interministerial com senadores será realizada em breve para tratar da realidade dos haitianos no Amazonas. Ele disse que o Brasil tem tradição de realizar anistias migratórias, como as que aconteceram em 1998 e 2008. E informou que o ministério e a Polícia Federal descobriram a rota usada pelos haitianos para entrar no Brasil: chegam de avião ao Equador, onde não precisam de visto para entrar, de ônibus atravessam o Peru e então entram no Brasil. Segundo informou, eles são quase sempre ajudados por uma máfia de facilitadores (os coiotes), que se utiliza dos mesmos métodos com migrantes afegãos e chineses, por exemplo.

Barreto disse que o governo brasileiro está regularizando os haitianos, concedendo-lhes direitos civis e direito a trabalho.

– Essas medidas funcionaram bem. A situação no Acre está quase resolvida. Nenhum caso foi enquadrado como refúgio, pois refúgio pressupõe perseguição, pressupõe que a pessoa seja vítima de perseguição em seu país – disse.

Barreto, que é ex-ministro da Justiça, disse que o Brasil não quer incentivar essa migração de haitianos, mas sim ajudar na reconstrução e estabilização daquele país, para que seus habitantes possam viver com dignidade e em paz.

Histórico

O deputado federal Nilson Mourão (PT-AC), atual secretário de Justiça e Direitos Humanos do Acre, explicou a situação dos imigrantes haitianos e quais foram as ações públicas efetivadas para a resolução do problema. Ele disse que os primeiros haitianos começaram a chegar ao Acre em dezembro de 2010, na cidade de Brasileia. Inicialmente era apenas um pequeno grupo, que vinha em busca de oportunidades fugindo de um país devastado pelo terremoto de 2010.

Entretanto, em pouco tempo, disse o secretário, novos contingentes começaram a chegar ao Acre em fluxo constante e crescente. Nilson disse que o governo do estado começou a dar assistência a essas pessoas, com alimentação e abrigo, e a regularizar suas documentações para que pudessem viver e trabalhar no Brasil.

– Constatamos que era uma rota de imigração organizada por agenciadores de pessoas, os ‘coiotes’, não era apenas uma migração espontânea. O número dos que chegavam começou a ser maior que os que saiam para outros lugares do Brasil – disse o secretário, lembrando que o número de haitianos no Acre chegou a 1.250, retidos enquanto seus documentos eram regularizados. No total, de 2010 até hoje, cerca de 2.300 migrantes haitianos passaram pelo estado, informou.

Depois da primeira audiência na CRE sobre o tema (em 2011), informou Nilson, a situação ganhou mais visibilidade nacional, com o governo federal enviando recursos e 14 toneladas de alimentos e a regularização dos documentos ganhando agilidade.

O secretário garantiu que apenas 60 haitianos continuam em situação pendente no Brasil, mas que os documentos dessas pessoas serão regularizados em breve.

– Hoje consideramos a situação no Acre resolvida, agimos de modo correto e demos a ajuda necessária, com auxílio do governo federal, da iniciativa privada e da imprensa. Considero missão cumprida – afirmou.

Fluxo em Tabatinga

Já o prefeito de Tabatinga (AM), Saul Nunes Bemerguy, afirmou que a situação de sua cidade ainda é delicada. Localizada em região de fronteiras com Peru e Colômbia, Tabatinga já recebeu mais de 4 mil migrantes haitianos desde fevereiro de 2010. O prefeito informou que 2.842 haitianos passaram pelo municípios apenas em 2011 e que cerca de 700 ainda estão na região esperando ajuda das autoridades brasileiras.

– Queremos ajudar, mas o município de Tabatinga não tem recursos suficientes para isso. Temos uma população residente de 52 mil habitantes e mais uma população flutuante de 15 mil, principalmente estrangeiros. Nunca tem menos de 70 mil pessoas em Tabatinga, o fluxo na tríplice fronteira é intenso e permanente – informou.

O prefeito de Tabatinga reclamou que a cidade não recebe a devida atenção dos governos estadual e federal, principalmente nas áreas de educação e saúde, e que o município não tem infraestrutura suficiente para lidar com essa alta demanda de estrangeiros.

– Não temos nada contra os haitianos, mas precisamos priorizar o povo nativo da cidade – admitiu.

Vistos humanitários

O diretor do Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos do Ministério de Relações Exteriores, Rodrigo do Amaral Souza, lembrou que, no final de 2010, o ministério começou a ser procurado por autoridades dos estados da região Norte. O assunto era a entrada rápida e significativa de haitianos pelas fronteiras.

– Os haitianos não tinham visto para entrada, mas chegavam à fronteira e solicitavam refúgio. Somos obrigados a dar entrada nesses pedidos de refúgio, mas essas regiões não estavam preparadas para receber um fluxo tão grande de estrangeiros – disse.

Ele explicou que o Comitê Nacional para Refugiados (Conare) estudou o fato e concluiu não haver fundamentos para a concessão de status de refugiados para essas pessoas e enviou o caso para análise do Conselho Nacional de Imigração, que decidiu por conceder a permanência desses imigrantes “por questões humanitárias”, disse. Desde então, 1.300 “vistos humanitários” foram autorizados, de um total de mais de 4.500 haitianos que ingressaram no país desde 2010.

De acordo com Amaral Souza, também foi verificada a existência de uma rede de traficantes de migrantes (coiotes) agindo no Haiti.

Assim, o governo brasileiro decidiu por criar um novo tipo de visto para haitianos, com validade de 5 anos e necessitando apenas da apresentação do passaporte e de negativa de antecedentes criminais. A Resolução Normativa 97/2012 do Conselho de Migração criou o visto por razões humanitárias para os haitianos, mas apenas 1.200 podem ser emitidos por ano. Mas cada visto pode incluir familiares do beneficiado.

O subsecretário-geral das Comunidades Brasileiras no Exterior do MRE, embaixador Eduardo Ricardo Gradilone Neto, esclareceu que o governo brasileiro pratica “uma política migratória aberta” e que, historicamente, realiza “anistias migratórias” beneficiando os estrangeiros que estejam irregulares no território nacional. Ele defende a diferenciação entre “situação irregular”, como seria a dos haitianos, que estão no Brasil em paz e em busca de oportunidades, e “situação ilegal” que seria mais adequada para designar pessoas estrangeiras em situação criminosa no país, como tráfico de drogas.

– Demos prioridade para a situação do Haiti depois do terremoto e queremos tirar os haitianos do controle dos coiotes – disse.

Acolhimento

A senadora Vanessa Graziottin (PCdoB-AM) voltou a sugerir que a CRE participe da audiência pública em Manaus sobre o tema em conjunto com a Comissão de Direitos Humanos (CDH) e a CPI do Tráfico de Pessoas, da qual é presidente. Ela disse que os próprios haitianos serão ouvidos durante o encontro. Ela também sugeriu um grupo interministerial para analisar o assunto.

Também participaram da audiência pública os senadores Cristovam Buarque (PDT-DF) e Eduardo Suplicy (PT-SP), ambos concordaram que a situação dos haitianos merece mais atenção das autoridades, com ações urgentes do poder público. E insistiram no sentido de o governo brasileiro acolher os imigrantes haitianos.

– É uma obrigação moral – afirmou Cristovam, lembrando da participação do Brasil na força de paz das Nações Unidas que atua no Haiti.

Essa foi a primeira audiência pública do quarto ciclo de palestras da CRE sobre os rumos da política externa brasileira e temas afins da agenda internacional. Na próxima segunda-feira (27) será realizado o segundo dos 13 painéis previstos para 2012, o tema do segundo encontro serão as relações do Brasil com Venezuela, Bolívia, Paraguai e Argentina e outros assuntos referentes ao Mercosul.

Augusto Castro / Agência Senado
Anúncios
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Acre

Candidato a vereador que “come veado” vira sucesso na internet

Publicado

em

O candidato a vereador pelo MDB em Cruzeiro do Sul, Gerson Fotógrafo, virou sensação nas redes sociais e grupos de WhatsApp.

É que em uma gravação na casa da dona Maria, que fica na Comunidade da Besta, no Liberdade, zona rural do município cruzeirense, Gerson diz que vai comer veado porque não tem supermercado próximo. “Quem não tem supermercado perto tem que comer um bichinho da mata, um veado, uma paca, uma cutia, um quatipuru, uma nambu. Comer não é proibido, proibido é levar para Cruzeiro. Eu trouxe uma conversa, mas vou comer é o veado”, diz Gerson.

Em outro trecho da gravação, Gerson manda um recado para o IBAMA e o IMAC. “Tá vendo IBAMA, tá vendo IMAC, eu tô comendo veado. Eu comer onde chegar nas comunidades, porque não tem supermercado. Posta aí para o Brasil inteiro que vou comer veado”.

No final da hilária gravação, Gerson Fotógrafo ainda pede voto e cita seu slogan de campanha: “Para vereador vote 15.124, um dia tirei seu retrato”.

Assista ao vídeo:

Continuar lendo

Acre

No Acre, 74% concordam com a prorrogação das aulas presenciais

Publicado

em

O estudo feito pelo portal Trocando Fraldas em todo o País entre 8 e 12 de outubro de 2020 traz algumas novidades sobre o que pensa a população do Acre em relação a retomada do ensino regular: 74% dos acreanos concordam com a prorrogação das aulas presenciais nas escolas.

Parece alto mas esse número é o 4o menor do Pais, ganhando apenas de Maranhão, Roraima e Alagoas, com 73%, 73% e 71%, respectivamente. No Espírito Santo, que tem a maior taxa, 87% concordam com a prorrogação das aulas presenciais em virtude da pandemia da Covid-19.

No dia 7 de outubro o Ministério da Educação (MEC) divulgou o guia com o protocolo sanitário para a retomada das aulas presenciais da educação básica, que vai até o ensino médio, no Brasil. Este guia foi feito com base nas instruções da Organização Mundial da Saúde, da Unesco e do Unicef.

A partir daí, cabe aos governos estaduais e municipais, em conjunto com as escolas, decidirem como o retorno gradual das aulas será feito.

Mesmo com todas as medidas de proteção necessárias sendo colocadas em prática, o assunto tem gerado muita discussão nos lares brasileiros. Embora alguns sejam a favor da retomada das aulas, constatamos em nosso mais recente estudo, que 86% das mães e pais brasileiros concordam que as aulas presenciais não devem ser retomadas no momento.

O estudo teve abrangência nacional e foi realizado com mais de 11.800 pessoas de 8 à 12 de outubro de 2020. O método de coleta de dados foi feito por meio de questionário em formulário na internet.

Continuar lendo

Acre

Mais de 80 mil já fizeram exame com suspeita de Covid-19 no Acre

Publicado

em

O Estado do Acre já avaliou mais de 80 mil pessoas com suspeita ou confirmação de Covid-19. Desde o início da pandemia, há quase 8 meses. já foram 81.231 pessoas que realizaram exames para identificar infecção por coronavírus.

Deste total, 50.632 casos foram descartados e 30.545 foram confirmados para a doença. Até o momento, 27.999 altas médicas foram concedidas a pacientes que foram infectados pelo vírus no estado.

Ao menos 691 pessoas morreram vítimas de complicações da doença. Conforme boletim epidemiológico divulgado nessa quarta-feira, 28, 54 casos estão em análise.

Rio Branco continua sendo a cidade com mais casos confirmados acumulados, com 11. 469 exames positivos e 432 óbitos.

Continuar lendo

Acre

Fachin vota pelo fim das revistas íntimas durante visita em presídios

Publicado

em

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), votou pela proibição da revista íntima de visitantes em prisões em qualquer hipótese. Seu voto foi apresentado no plenário do tribunal nesta quarta-feira (28), no julgamento que discute se esse tipo de procedimento viola direitos garantidos pela Constituição.

Como relator do caso, Fachin afirmou que qualquer prova coletada durante revista íntima não pode ter validade, porque a revista íntima em si não deve ocorrer. Logo, algo que seja encontrado no corpo da pessoa não pode ser usado para condená-la. O magistrado foi o único a votar. O julgamento continua nesta quinta-feira (29).

O voto de Fachin não impede, porém, a chamada busca pessoal. Isto é, os visitantes em presídios podem ser submetidos a equipamentos eletrônicos como scanners corporais, por exemplo, e se houver alguma suspeita fundamentada em elementos concretos de que eles podem estar escondendo substâncias ou objetos ilícitos ou proibidos, pode-se então fazer a busca pelo material.

O julgamento, que terá repercussão geral para todos os processos no Brasil, tem como base um caso específico em que uma mulher foi denunciada pelo Ministério Público por ter transportado maconha nas partes íntimas quando foi visitar um irmão preso, em uma unidade prisional de Porto Alegre. Pelo voto de Fachin, ela não poderá ser condenada pelas instâncias inferiores.

O magistrado citou que é dever do Estado dispor de equipamentos de scanner, além de profissionalizar seus agentes de segurança, para coibir atos desumanos e degradantes. Segundo ele, é necessário o controle judicial sobre eventuais abusos e “a responsabilização civil, penal e administrativa nas hipóteses de eventuais arbitrariedades”.

Discriminação

Em seu voto, Fachin falou também que a revista íntima é uma forma de discriminação. “A adoção desses protocolos generalizados significa a prévia discriminação aos familiares dos presos e o abandono das razões legítimas que devem iluminar e mobilizar as ações estatais”, disse ele.

“As justificativas usualmente apontadas para a revista íntima radicam-se em interpretação enviesada das noções de segurança pública e prevenção, à medida que parentes e amigos de pessoas detidas são preconcebidos como suspeitos de atos incorretos ou delituosos apenas em razão desse vínculo”, completou.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas