Conecte-se agora

Este é o problema

Publicado

em

O PTC terá problemas se quiser colocar a presidente Gabriela Câmara de vice, seja na chapa do PMDB ou do PSDB. É o que ouço de dirigentes dos dois partidos. Não pela figura da moça em si, mas porque viria no contrapeso sua mãe, a polêmica deputada federal Antonia Lucia (PSC).

Confusão certa

De um deles ouvi o seguinte: “a Antonia Lucia ia querer mandar mais que o prefeito”.

Pressão certa

O prefeito Wagner Sales (PMDB) não hesita em elogiar sempre seu vice Mazinho Santiago, o quer de novo na chapa, só que o PP vai exigir para uma aliança, indicar um nome do partido.

É o comentário

O deputado federal Gladson Cameli (PP) não esconde querer indicar o vice na chapa do PMDB.

É o candidato

A depender da opinião do deputado Moisés Diniz (PCdoB), que não esconde de ninguém, o candidato a prefeito de Tarauacá pela FPA, é o médico Jasone (PT), que considera o ideal.

Muito desgastado

Não está errado o Moisés, o ex-vereador Chagas Batista (PCdoB) está desgastado e tem a fama que não ganha eleição. E em uma eleição majoritária, ninguém é candidato de si mesmo.

Não está morta

E até porque, ao contrário do que muita gente pensa, a prefeita Marilete Vitorino (PSD) não é carta fora do baralho, afinal, estar no poder num município pequeno e tem um peso político grande.

Poste ganha

Mas, este axioma não se aplica em todos os casos. Em Capixaba, por exemplo, o candidato que tiver o apoio do prefeito Joais (PT), com alto desgaste popular, é sério candidato a perder.

Questão de gestão

E não foi por falta de apoio do governo petista que o prefeito Joais chegou a este estágio.

Dar uma descentralizada

O governador Tião Viana deveria no próximo ano pensar em descentralizar as ações no sistema de saúde, a secretária Suely Melo, são críticas que ouço, tem emperrado decisões.

 

Humanamente impossível

É impossível um só gestor dar celeridade aos pleitos com a rapidez que se exige na Saúde.

Tem o que comemorar

Mas o governador Tião Viana, no cômputo geral tem o que comemorar este primeiro ano de mandato, a última pesquisa o colocou numa avaliação popular altamente confortável.

Contra a maré

O PT vai remar contra a maré se definir pela candidatura de José Alvanir (PT) a prefeito de Brasiléia. Não é de saudosa memória sua passagem como prefeito. Nem concluiu o mandato.

É da máxima

É da melhor máxima que em política não se insiste e não se repete em que não deu certo.

Bom de festa

O festeiro prefeito de Mâncio Lima, Cleidson Rocha (PMDB), terá dificuldades para se reeleger, é o que dizem os que conhecem o município. Nem só de dança de salão se faz uma gestão.

Longe do confronto

O candidato a prefeito da Capital, Tião Bocalon (PSDB), líder nas pesquisas, notadamente tem se esquivado de confrontos que possam lhe trazer desgaste. Foi assim na polêmica do horário.

Não duvidem

Se o “Montana Jack”, o anão do Petecão, se eleger vereador com boa votação não se surpreendam. Nos bairros periféricos aonde chega é a atração. E ele pede votos.

Duas interrogações

Como vão se comportar na campanha da PMRB e nas pesquisas os candidatos do PT, Marcus Alexandre, e do PMDB, Fernando Melo, são duas grandes interrogações.

Boa vantagem

Marcus Alexandre leva a vantagem de ter a máquina do PT empurrando a sua candidatura.

Casa de marimbondo

A oposição em Plácido de Castro está igual casa de marimbondo assanhada, todos com ferrão de fora, e ninguém querendo abrir para o outro a indicação de candidato a prefeito.

Papa tranqüilo

Sem uma chapa unida, o prefeito Paulinho (PT), pode fazer seu sucessor.

 

Candidato sim senhor

O presidente da Aleac, Élson Santiago (PP) nega ter havido um acordo pelo qual cumpriria apenas um mandato. É candidato à reeleição, e justifica: “tal compromisso não foi firmado com ninguém”.

Sumiu na buraqueira

Como senador não foi dos piores, mas como deputado federal, Sibá Machado (PT), está muito a desejar no seu mandato, não se destacou. A não ser que esteja sendo mal divulgado.

O Haiti é aqui

Nada contra a campanha de religiosos de maior apoio aos haitianos. Em suas paróquias em Brasiléia e Epitaciolândia, nas periferias, têm brasileiros abaixo da linha de pobreza e não se ouve o mesmo clamor, nenhum debate para buscar meios de lhes auxiliar. E se for incentivada a chegada de novas famílias, com a porteira aberta, a região vai virar um barril de pólvora.

Por Luis Carlos Moreira Jorge

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Leia Também

Mais lidas