Conecte-se agora

Em uma semana, mulher é operada duas vezes “por negligência médica” no Pronto Socorro de Rio Branco, acusam familiares

Publicado

em

Samara Filgueira, 25 anos, mãe de uma criança de 1 anos e 8 meses, foi submetida nesta quarta-feira (30) a uma cirurgia reparadora após agonizar durante uma semana com diagnósticos imprecisos e uma intervenção cirúrgica mau sucedida no Pronto Socorro de Rio Branco, capital do Acre.

 A denúncia de suposta “negligência médica” parte do esposo de Samara Filqueira, Stefen Santos,  que atribui o atual quadro clínico de sua mulher, internada no Centro de Tratamento Intensivo do Pronto Socorro,  a sucessivos desencontros de informações.  Na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Tucumã,  um médico teria diagnostico “virose”. No Pronto Socorro outro teria avaliado como possível apendicite.

Confirmada a segunda alternativa,  Samara foi enviada ao Hospital Santa Juliana, algo que não teria agradado a família que  insistiu em seu retorno ao hospital público, lugar no qual a mulher foi submetida à primeira cirurgia, no sábado 26,  mas antes disso teria tido o pedido de cirurgia negado por um médico, não citado pela família, que teria evitado realizar a operação,  assim, sendo escalando um segundo profissional para realizar a intervenção.

“Muitos foram às desculpas, impedimentos, constrangimentos, tudo em prol de se cumprir os procedimentos… …  Cada um com um diagnóstico, uma desculpa, ou uma tentativa de passar a bola da responsabilidade, enquanto isso minha esposa agonizava numa maca, com tubos, sem comer, sem beber e sem diagnóstico verdadeiro”, disse o marido.

A família afirma ter pedido a intervenção da administração do hospital e atribui a alguns médicos o descanso com Silmara. “O diagnóstico foi de uma situação gravíssima, que piorou por uma sequência de atos negligentes e inexplicáveis”, afirmam.

Descontente, Stefen Santos disse que a vida de sua esposa “foi brutalmente tratada com descaso, negligência, como se fosse apenas mais um que deu entrada no hospital e que agora é parte de um jogo entre a vida e a morte, que espera, em contínuas orações, não fazer parte das estatísticas negativas”.

Procurado pela reportagem, o médico Giovane Casseb, Gerente de Assistência à Saúde do Pronto Socorro, explicou que a transferência da paciente para o Hospital Santa Juliana foi um procedimento habitual, tendo em vista que a unidade mantém convênio com o SUS e estrutura necessária para realização cirúrgica.

Quanto a suposta recusa de um médico em realizar a operação de  Silmara, o gerente explica que não teria havido recusa, apenas obediência ao procedimento no qual o quadro clínico da paciência apontava para que o médico da paciente, Francisco Lopes, que não estava em dia de plantão, realiza-se o procedimento. Para Casseb, o médico plantonista teria realizado os procedimentos necessários e caso tivesse detectado urgência necessária teria realizado a operação imediatamente e não esperaria pelo médico da paciente.

Ainda de acordo com o gerente, o Pronto Socorro conta equipes médicas distintas, uma para atender emergências que chegam à unidade e outra para cuidar dos pacientes internados, esse segundo caso é adequando ao quadro de Silmara, que estava clinicada e tinha acompanhamento do médico Francisco Lopes, o qual a família da paciente demonstra gratidão.

Edmilson Alves, de Rio Branco-AC
[email protected]
Redação de ac24horas

 

Anúncios


Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Mais lidas