Conecte-se agora

Data de hoje 11/11/2011 é o assunto mais comentado nas redes sociais da internet

Publicado

em

Numerologia, misticismo ou simplesmente mera simbologia, em relação a data desta sexta-feira 11/11/2011, é o assunto mais comentado na rede social do Twitter e Face book esta manhã.

Alguns creditam o fim do mundo e os menos incrédulos brincam com a data. Pelo sim pelo , no horário de Brasília o “perigo” já passou, mas daqui a pouco no Acre, ainda sem eu antigo horário, deverá ser a bola da vez.  Nessas horas é bom ser diferente e ter duas horas a mais que o resto do Brasil para decidir o que fazer em casos inesperados, como o fim do mundo, por exemplo.

Veja alguns comentários sobre o assunto nas rede sociais da inernet:

veramagalhaes Vera Magalhães

11h11 do 11/11/11. E o pior é que daqui a 1 ano, 1 mês, 1 dia e 1 minuto teremos as 12h12 de 12/12/12. Ainda bem que não tem mês 13, 14…

hermington Hermington

daqui 2h tem no Acre, aguarde… // RT @andremarmota: Uia! 11h11min11s de 11/11/11! Sabe o que isso significa? Absolutamente nada.

portalR7 Portal R7.com

11h11 de 11/11/11 =D r7.com/HUUf

JornalOGlobo Jornal O Globo

Olha o relógio: são 11h de 11/11/11. Asiáticos acreditam em sorte no amor. migre.me/67W76

Assem_Neto Assem Neto

São 11 horas e 11 minutos do dia 11 do 11 de 2011. Arrepiei

ARCIOBESTENE MARCIO BESTENE KOURY

PASSOU O 11.11.2011 11H11MIN11SEG E EU CONTINUO VIVO….AMEM

Celisfabricia Celis Fabrícia

11/11/11# 11h11 horário de Brasília

 

Salomão Matos- da redação do ac24horas

Propaganda

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Acre

Governo do Acre ainda não cogita aumentar alíquotas extras

Publicado

em

O governo de Gladson Cameli (Progressistas) não trabalha com a hipótese cobrar uma alíquota extra de até 8 pontos percentuais dos servidores públicos para cobrir o rombo mensal do Instituto Acreprevidência, que acumula déficit mensal de quase R$ 50 milhões. A informação foi descartada pelo Estado após o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que se reuniu por duas horas e meia com o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmar que a proposta de reforma da Previdência que será apresentada ao Congresso Nacional nesta quarta-feira (20) terá uma autorização para os estados cobrarem uma alíquota extra.

“Até o momento essa possibilidade não foi levantada. A situação de Goiás é ainda pior que a nossa em relação a previdência. Esse assunto não foi discutido no âmbito do governo do Acre. Nem mesmo como possibilidade”, informou a Assessoria de Gladson Cameli.

Pela proposta, a Constituição incluiria uma autorização para que os governadores enviem às assembleias legislativas um projeto para criar uma alíquota extraordinária e temporária para reduzir o déficit da previdência dos servidores públicos locais. O prazo e o valor da alíquota adicional seriam definidos conforme a necessidade de cada estado.

A maioria dos estados cobra 11% do salário bruto dos servidores públicos locais para financiarem as aposentadorias e pensões. Nos últimos anos, diversos estados elevaram a alíquota para 14%, inclusive o Acre. No caso de Goiás, a contribuição está em 14,25%. Mesmo assim, segundo Caiado, faltam R$ 200 milhões por mês para pagar os benefícios para os inativos locais, diferença coberta pelo Orçamento do estado.

Caiado confirmou que os governadores se reunirão com a equipe econômica na quarta-feira (20) para receber detalhes da proposta de reforma da Previdência. Ele defendeu a aprovação da proposta o mais rápido possível e cobrou o engajamento dos governadores. “Hoje estamos com folha atrasada do governador anterior, com projeção para 2019 de R$ 6,6 bi de déficit e não temos condições de aplicar o mínimo em saúde, educação, segurança pública e muito menos em programas sociais. Não dá mais para ficar enganando, adiando, enxugando gelo em todo minuto”, destacou.

Caiado disse que Guedes não incluirá, na proposta de reforma da Previdência, o uso de ativos de estatais locais para formar um fundo que arcaria com os passivos (dívidas e obrigações) das previdências estaduais. “Eu concordo com essa exclusão. Afinal de contas, a previdência [de um estado] atende de 3% a 4% da população [local], enquanto uma estatal é propriedade de toda a população de um estado”, declarou o governador.

Segundo Caiado, o texto a ser enviado prevê que as mudanças para a Previdência valerão automaticamente para estados e municípios, diferentemente da proposta do governo anterior, que dava carência de alguns meses para que os estados aprovassem regras para a previdência dos servidores locais e que as mudanças só seriam adotadas se nada fosse feito.

Continuar lendo
Propaganda

Leia Também

Mais lidas

Copyright © 2019 Ac24Horas - Todos os direitos reservados.