Conecte-se agora

Seminário debate a questão da entrada de haitianos no Acre

Publicado

em

O foco principal do I Seminário Refugiados, Migrantes e Direitos Humanos, realizado durante todo o dia de segunda-feira, 17, no auditório da Escola Campos Pereira, no bairro José Augusto, foi à questão da entrada de refugiados haitianos no Brasil, pelas fronteiras do Acre.

O evento contou com o representante da Associação dos Haitianos no Acre, Sonique Lapointe, que destacou a importância da aceitação das autoridades brasileiras, dos cidadãos haitianos que chegam ao país, através do Estado do Acre.

O seminário foi organizado pelo Centro de Defesa dos Direitos Humanos e Educação Popular do Acre – CDDHEP/AC, entidade não governamental que trabalha na defesa e promoção dos direitos humanos no Estado, há 32 anos.

O objetivo da entidade é sensibilizar, solidarizar e informar as autoridades, assim como a população acreana, sobre os direitos e deveres das pessoas refugiadas e migrantes, na perspectiva de criar fronteiras solidárias e cidades solidárias.

“Nossa missão é contribuir na construção de uma sociedade onde o respeito aos direitos humanos, a justiça, as pluralidades culturais, as questões de gênero, classe, etnia e preservação do meio ambiente, promovam o desenvolvimento sustentável, viabilizando, assim, o exercício pleno da cidadania”, disse Aldeídes, da CDDHEP/AC.

A necessidade de políticas públicas para atender os haitianos foi discutida até as 17h30m. Através Acnur, IMDH e Secretária de Justiça e Direitos Humanos do Estado do Acre (Sejud), os gestores públicos das entidades de direitos humanos, espera chegar à solução da imigração e acolhimento de haitianos no Acre e demais estados.

Após as 17h, os gestores públicos, representantes de imigrantes e membros de entidades não governamentais, chegaram à proposta de elaborar um minucioso relatório com propostas e sugestões aos governos estadual e federal, de acolhimento humanitário dos refugiados que chegam ao Brasil.

“É Preciso entender e dominar a problemática para atender essas pessoas da melhor forma possível. O Brasil é membro de um acordo que prevê a ajuda humanitária a pessoas que estejam em situação de refugio político. A questão dos haitianos é mais que simplesmente uma questão política. Temos pessoas em sério risco social que precisam de atendimento na área de direitos humanos”, acrescenta Aldíde, da CDDHEP/AC.

Ray Melo, da redação de ac24horas – [email protected]

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas