Conecte-se agora

Gerente e estagiária da Caixa acusam juíza por agressão física ao forçar atendimento durante a greve; Maha Manasf nega as acusações de agressão

Publicado

em

A presidente do Sindicato dos Bancários do Acre (Seebac), Elmira Farias denunciou na manhã desta segunda-feira, 10, que a gerente da Caixa Econômica, agência centro, Adeilza Cássia Nascimento e a estagiária identificada como Tailine, teriam sofrido agressões físicas por parte da  juíza Maha Manasf e Manasf, da Vara de Execuções Penais.

Segundo a presidente do Seebac, Elmira Farias, a confusão teria iniciado quando a gerente, Aldilza Cássia tentava explicar que o banco não teria como atender as pessoas que esperavam fora da agência, já que a maioria dos servidores ainda estava em greve. Foi quando supostamente a juíza teria se exaltado e agredido a gerente a estagiária.

“A juíza derrubou a gerente no chão e torceu violentamente o braço da estagiária, exigindo que fosse atendida. A gerente ficou com problema em um dos dedos e vai registrar boletim de ocorrência, já a estagiária foi fazer exame de corpo de delito e em seguida foi levada para sua residência por parentes”, afirmou Elmira Farias.

De acordo com a sindicalista, o atendimento reivindicado pela juíza Maha Manasf e Manasf, não seria para ela, mas para a filha que estava em sua companhia. “Ela [a juíza] queria entrar para fazer uma operação bancária para sua filha. O problema foi à forma com que ela tratou os funcionários do banco, agindo de forma truculenta e querendo impor autoridade na base da força”, enfatiza Elmira.

A sindicalista informou que a polícia foi chamada pela juíza que exigia atendimento diferenciado dos demais clientes. “A juíza Maha chamou a polícia que pediu para que os funcionários da Caixa fizessem o atendimento imediato, o que foi feito, deixando o resto da população sem atendimento. O direito de greve não foi respeitado”, desabafa Elmira Farias.

Juíza nega agressão e afirma que não usou o cargo de magistrada para forçar atendimento

A reportagem procurou a juíza Maha Manasf, na Vara de Execução de Penas e medidas Alternativa, para colher sua versão sobre os acontecimentos da supostas agressão a gerente da Caixa Econômica, Adeilza Cássia e da estagiária Tailine, mas a magistrada se encontra de férias até o dia 27 de outubro, e os funcionários do órgão público afirmaram que ela não atenderia “ninguém neste período”.

Mesmo com a negativa dos servidores procuramos a assessora de comunicação do Tribunal de Justiça do Acre, Letícia Mamed, que entrou em contato com a magistrada. Segundo Letícia, a juíza Maha Manasf procurou o atendimento da Caixa Econômica para resolver problemas ligados ao Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies).

A magistrada teria procurado a unidade bancária por ser o último dia de recebimento de documentação relacionada ao Fies. Ao chegar a Caixa e procurar o atendimento foi informada que não haveria atendimento, já que o atendimento estava completamente paralisado. Segundo Letícia Mamed, em nenhum momento Maha Manasf se utilizou da prerrogativa de ser magistrada para receber atendimento.

“A juíza Maha Manasf se dirigiu a gerente para perguntar se os 30% dos serviços previstos em lei não estavam sendo cumpridos, mas a gerente afirmou que nem 10% nem 30% e nem 30% de atendimento estaria sendo feito pelos funcionários da Caixa”, disse Letícia.

De acordo com a assessora do TJ Acre, a magistrada se manifestou como cidadã. Sobre as supostas agressões físicas sofridas pelas funcionárias da Caixa, a assessora afirmou que “não procede à acusação de agressão. Se o sindicato dos bancários entrar com algum tipo de ação, a Associação dos magistrados irá fazer a defesa da juíza Maha Manasf””, finalizou Letícia Mamed.

Ray Melo, da redação de ac24horas – raymelo.ac@gmail.com

Anúncios
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Acre

Na chuva, Roberto Duarte percorre mais de 15 bairros em carreata

Publicado

em

Nem a forte chuva que ocorreu na manhã deste sábado, 31, impediram o candidato do MDB à Prefeitura de Rio Branco, Roberto Duarte e a sua vice Antônia Lúcia (PL) de realizar uma carreata que percorreu mais de 15 bairros da capital.

Entusiasmado, Roberto Duarte destacou que a carreata serviu para recarregar as energias para essa reta final de campanha.

“Uma manhã para recarregar as energias e reforçar a certeza de que estamos no caminho certo. Com fé, trabalho e ordem, vamos enfrentar todos os desafios para fazer uma gestão transformadora”, afirmou Roberto.

A carreata teve início no bairro Procon e seguiu para a Conquista, Bairro da Paz, Joafra, Rui Lino, Tucumã, Mocinha Magalhães, Sapolândia, Segundo Distrito, Universitário, Jardim Europa Nova esperança, Betel, Floresta, João e Eduardo I e II, Sobral, Baixada e Ceasa.

Continuar lendo

Acre

No Jordão, Jorge e Léo de Brito reforçam apoio a Nágela do PT

Publicado

em

O ex-senador Jorge Viana e o deputado federal Léo de Brito (PT) cumpriram agenda de campanha em municípios do interior do Estado (AC). Os petistas foram à Jordão reforçar o apoio à candidata do PT, Professora Nágela Figueiredo, e do vice, Edvan Albuquerque, do PSD, do senador Petecão.

Na empreitada, a dupla aproveitou e visitou a aldeia Kaxinawá, Nova Empresa, no Alto Rio Jordão, onde reuniram com centenas de indígenas.

O encontro contou com a participação de agentes agroflorestais que atuam no município e lideranças do PT, que receberam do deputado Léo de Brito o compromisso de retomar as boas práticas de apoio à comunidade indígena em Jordão, especialmente vinculadas às áreas da produção, educação e saúde.

Léo de Brito garantiu que assim que retomar o mandato de deputado federal vai continuar lutando em favor das populações indígenas e contra qualquer retirada de direitos como, por exemplo, a revisão de demarcação de áreas.

“Estou muito preocupado com a falta de apoio que as populações da floresta estão vivendo agora. Políticas públicas precisam ser feitas para dar esse àqueles que são chamados de povos originais”, ressaltou Jorge Viana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo

Acre

Trabalhador tapa buraco na chuva após ter prejuízo com carro

Publicado

em

Um trabalhador que atende pelo nome de Márcio ganhou as redes sociais neste sábado, 31, ao compartilhar um vídeo que aparece com dois amigos fazendo um “recapeamento” com barro e restos de tijolo na rua Manaus, localizada no Residencial Iolanda.

No vídeo, Márcio relata que o buraco vem ocasionando prejuízos a população e dispara críticas à prefeita Socorro Neri.

“Esse buraco aqui é onde eu bati o carro da minha empresa estourou o pneu e eu tive um prejuízo doido. Cadê que você em plena época de campanha, cadê que olha pelo povo. Você teve os seus dois anos para olhar pelo povo e não olhou. Estamos aqui tampando o buraco. Estamos aqui numa rua principal”, afirmou.

O vídeo do Márcio foi compartilhado pelo internauta Thiago Oliveira, em suas redes sociais.

“Quando o poder público não se faz presente é o cidadão que tem que fazer o que os seus impostos deveriam lhe proporcionar”, afirmou.

 

Continuar lendo

Acre

Acre está há cinco dias sem registrar focos de queimadas, diz INPE

Publicado

em

Foto: Sérgio Vale/ac24horas 

De acordo com o banco de dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Acre não registra focos de queimadas detectados pelo satélite de referência AQUA Tarde desde a última segunda-feira, 26.

Este ano, o Acre teve o pior mês de outubro da série histórica do INPE, iniciada em 1998. Foram 1.652 registros contra apenas 354 do ano passado. O acumulado de 2020 (9.053 focos) é o terceiro maior da história, atrás apenas dos anos de 2003 e 2005.

Os municípios com os maiores registros de queimadas em outubro foram Xapuri (320), Brasiléia (296), Sena Madureira (217), Epitaciolândia (144) e Rio Branco (140). No ano, Feijó (1.552), Sena Madureira (1.086), Tarauacá (1.014), Xapuri (735) e Rio Branco (714) são os campeões do fogo.

Com 444 focos de queimadas registrados apenas em outubro, o que representa 87% do total de todas as outras unidades de conservação federais no Acre, a Resex Chico Mendes chegou a 1.111 focos de queimadas detectados entre janeiro e outubro deste ano – 67% do total das demais UC’s no estado.

Chuvas

Outro dado relevante diz respeito à chegada das chuvas, que apesar de terem ficado abaixo da média climatológica para o mês de outubro, tiveram elevação considerável a partir da segunda quinzena. Plácido de Castro (179,10mm) e Marechal Thaumaturgo (173,20mm) são os municípios com os maiores acumulados do mês e Rio Branco (21,80mm) com o pior.

Em seguida, com relação aos índices pluviométricos, estão Cruzeiro do Sul (170,60mm), Feijó (161,40mm), Tarauacá (153,40mm), Jordão (118,60mm), Sena Madureira (110,40mm), Manoel Urbano (106,00mm), Xapuri (102,00mm) e Assis Brasil (81,20mm), relacionadas apenas as estações de monitoramento que possuem série climatológica.

De acordo com o Boletim de Monitoramento Hidrometeorológico divulgado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) na última quinta-feira, 29, para o período de 29/10/2020 a 04/11/2020, o prognóstico do Satélite NOAA/NCEP-GFS/USA indica previsão de chuva com volume acumulado na semana de até 75 mm.

A região Oeste do estado deverá concentrar até 75 mm de chuva prevista para a semana, indicando anomalia positiva, onde as chuvas deverão ficar acima da normalidade para o período.

O Leste do estado deverá concentrar até 50 mm de precipitação acumulada, indicando anomalia negativa, onde as chuvas deverão ficar abaixo da normalidade para o período.

Nos municípios de Bujari, Porto Acre, Rio Branco e Senador Guiomard, a quantidade de precipitação deverá ser ainda menor do que nos outros municípios da região, indicando anomalia negativa, chegando à um acumulado de até 25 mm de precipitação.

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas