Conecte-se agora

Criação de abelha sem ferrão, desenvolvido pela Embrapa do Acre, será discutida, em outubro em Congresso de apicultura

Publicado

em

Com o objetivo de esclarecer as dúvidas quanto ao processo de criação de abelha sem ferrão e incentivar a atividade na agricultura familiar, a bióloga, pesquisadora e doutora em ciências na área de concentração entomológica, da Embrapa do Acre, Patrícia Maria Drumond, ministrará palestra sobre o tema para explicar o funcionamento do desenvolvimento da atividade. O assunto será explanado, durante o I Congresso de Apicultura e Meliponicultura da Amazônia, que será realizado de 20 a 22 de outubro, no Espaço Cultural em Palmas.

De acordo com informações da bióloga, a criação dessa espécie, geralmente é realizada em caixas de madeira, construídas com o objetivo de maximizar a quantidade e a qualidade do mel produzido. “Com o uso das caixas é possível acompanhar o desenvolvimento da colônia ao longo do ano, proteger as abelhas do ataque de pragas e agentes causadores de doenças”, informou Patrícia.

A pesquisadora explicou também que a maioria das espécies de abelhas sem ferrão criadas em caixas são dóceis, permitindo o desenvolvimento da atividade perto da residência e a dispensa do uso de equipamentos ou vestimentas especiais, reduzindo o custo de produção. “A criação pode ser integrada às áreas agrícolas, envolvendo toda a família, incluído jovens e mulheres. O que pode favorecer o aumento da produção de frutos e sementes, uma vez que esses insetos são importantes agentes polinizadores de várias culturas”, afirmou.

Quanto à abelha mais adequada a ser criada no Tocantins, a doutora disse, que é aquela encontrada naturalmente na região, entretanto, ela destaca a importância da troca de experiências entre os meliponicultores, técnicos da área de extensão e pesquisadores para descobrir quais são as espécies mais apropriadas para cada localidade. “Existem aproximadamente 200 espécies de abelhas sem ferrão no Brasil e menos de 10% são criadas em caixas por falta de estudos na área”, informa a doutora.

De acordo com informações do presidente da Fetoapi – Federação Tocantinense dos Apicultores, Antonildo Alexandre de Medeiros, as espécies mais utilizadas na região de Palmas são: Tiúba, Mandaçaia, Uruçú e Tubi.

A criação dessas abelhas e a sua exploração racional podem contribuir para a preservação das espécies e dar ao meliponicultor oportunidade de obter mel. Esta atividade vem sendo desenvolvida há bastante tempo em diversas regiões do país. O presidente da Ampal – Associação de Apicultores e Meliponicultores de Palmas e produtor, Odílio Pereira de Menezes Neto, disse que recentemente começou na atividade e escolheu as espécies, Jataí e Urucu, preta e amarela. “Preferi trabalhar com as abelhas sem ferrão porque o mel é mais valorizado”, considerou.

Congresso

O I Congresso de Apicultura e Meliponicultura da Amazônia será realizado pela Seagro- Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário, Fetoapi dentre outros parceiros, dentro da programação da sétima edição do AmazonTech.

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas