Conecte-se agora

Produtores do Antimary vão à Aleac cobrar calote de R$ 400 mil da empresa Triunfo

Publicado

em

Cansados de esperar por uma fiscalização dos órgãos fiscalizadores do Estado do Acre, os produtores do projeto de assentamento do Antimary, vieram na manhã de hoje (14) até a Assembleia Legislativa do Acre, pedir apoio dos deputados estaduais para o que caracterizam como “devastação das florestas públicas”.

Entre as reivindicações os produtores cobram o repasse de R$ 400 mil que foi objeto de contrato com a Empresa de Laminados Triunfo e que até hoje não foi pago às famílias localizadas no Projeto de Assentamento do Limoeiro.

O presidente da mais antiga associação do projeto Antimary, a Associação de Seringueiros da Floresta do Antimary, Agenor Nascimento Barreto, disse que “não há garantias de que a renda de manejo continue”. Ele fala baseado no preço da madeira por metro cúbico que decaiu entre os anos de 2009 e 2011.

– Em 2009 negociamos com a madeireira Triunfo o valor de R$ 50,00, em 2010 esse valor subiu para R$ 55,00 e esse ano, a SEF empurrou de goela abaixo, sem a nossa participação, o preço de R$ 40,00 do metro cúbico da madeira. Queremos o preço justo – disse Agenor.

Ainda segundo Agenor Nascimento, do primeiro leilão que vendeu 20 mil metros cúbicos de madeira em pé e que foi arrematado por R$ 800 mil, desse montante, R$ 400 mil deveriam ser repassados para a comunidade. É o que regulamenta a Lei de Gestão de Florestas Públicas. O presidente da associação garante que além de não terem sido repassados os valores, até hoje, não se sabe o que a empresa fez junto com o Estado.

– 50% do valor era para ser repassado em beneficio da comunidade que mora na reserva, dividido em três associações existentes no Antimary. Até hoje não sabemos o que aconteceu com todo o dinheiro.

– Pedimos um empenho dos deputados para fiscalizar de forma séria o projeto do Antimary para que não aconteça lá, o que aconteceu no Limoeiro, onde a floresta foi devastada. Estamos dispostos a fechar o ramal e impedir a saída dos caminhões – disse José da Silva.

O presidente da Floresta Unidos da Floresta do Antimary, João Camilo, disse que não houve a apresentação de outras propostas de madeireiras e que por necessidade, a maioria aceitou assinar o contrato de R$ 40,00 por metro cúbico.

Shirley Souza, moradora do Antimary, convidou o líder do governo, deputado Moisés Diniz, para ir visitar o projeto in loco “para ver o que está acontecendo”. Shirley criticou a situação das pontes e do ramal que ficaram intrafegáveis no período do inverno.

Para o deputado Jamyl Asfury [DEM], não há tema mais importante para ser discutido do que a Florestania. “Cortes rasos são crimes e esse assunto deve ser visto urgentemente por esse parlamento e pela Policia Federal”, pediu o democrata.

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa encaminhou a indicação de um defensor público para resolver o problema das multas aplicadas pelo Ibama, uma reunião com o secretário de Indústria e Comércio e uma audiência pública na sede do Projeto de Manejo.

Para o deputado Major Rocha, o encontro na Assembleia sela o trabalho de fiscalização que foi feito por ele e a deputada Marileide Serafim. Rocha disse que mesmo assim, vai até o ITTO em Brasília e também visitará o Imaflora [órgão certificador do FSC no Brasil].

– Não podemos deixar de lado o crime ambiental que vem sendo praticado, isso é sério e merece o nosso grito – concluiu Rocha.

Jairo Carioca – da redação de ac24horas
[email protected]

Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required

Recomendados da Web

Mais lidas