Conecte-se agora

EDITORIAL: As botas devem brilhar pelo zelo, não por subserviência.

Publicado

em

A nota de solidariedade ao sub-comandante da Policia Militar do Acre, coronel Paulo Cezar Rocha dos Santos, assinada pelo coronel Anastácio, comandante da PM Acre, na qual tenta desqualificar o trabalho jornalístico deste veículo, um dos poucos [ler reportagem] a levar o fato ao conhecimento público, do acidente sofrido pelo oficial em questão, esquece de esclarecer assuntos Básicos, como:

Por que o coronel, um fiscal da lei, estava além da velocidade permitida para circulação na via, fato que ocasionou o acidente e a consequente derrubada de um poste de energia elétrica?

Por que não foram divulgadas informações sobre o teste do bafômetro, se ele foi feito ou não?

Por que o coronel Anastácio esqueceu de dizer a opinião pública se o coronel estava embriagado ou não?

Por que um oficial que ocupa tão importante função pública tem em seu prontuário, no Detran, duas infrações gravíssima, por avanço de sinal vermelho?

Por que o coronel Anastácio não divulgou nota à opinião pública quando seus comandados foram acusados de agredir cidadãos de bem [ver matéria]que se divertiam com familiares nas proximidades da Arena da Floresta;

Por que o coronel não admitiu publicamente que falhou como comandante quando perdeu o controle sobre sua tropa, sendo preciso o Governo do Estado convocar a Força Nacional para garantir a segurança no Acre?

Como homem público, o coronel, que tirou o pijama para voltar a vida pública, deveria se preocupar em fazer esclarecimentos à opinião pública sobre a apuração transparente dos fatos. Deveria se preocupar em zelar pelo bom nome da Gloriosa Policia Militar, deixando claro que os militares, principalmente os oficiais que gozam de melhor preparação, não são trinados para colocar em risco a população e sim para servi-la.

Sobre a ação militar a que a nota se refere, este site cobriu o evento e o trabalho da polícia não foi tão longo e cansativo quanto a afirmativa. Alias, quem estava à frente da operação era o Capitão Geovane, conforme matéria jornalística aqui divulgada.

Coronel, para comandar é preciso liderar. Liderança não é um produto que vem como “bônus”quando se “ganha”uma nomeação política.

Adimira a este veículo “a coragem de defesa” do coronel Anastácio, que entrou e saiu da Policia Militar sem ser notado, sem nunca ter participado de uma movimento em favor de praças e que agora se arvora em “arauto da moralidade”.

O jornalista escalado para cobrir o acidente encontrou fortes evidencias de que o coronel PC já estava em sua folga, o que reforçou sua especulação após ele, o coronel acidentado, ter confessado que participara de uma festinha de confraternização.

A reportagem nada inventou. A policia de Anastácio é que foi infantil ao tentar apagar possíveis provas contra o sub-comandante. Retiraram o litro de uísque, mas esqueceram o saco de gelo e o copo.

Este site tem um compromisso com a verdade e disso não abre mão!

As botas devem brilhar pelo zelo, não por subserviência.

A direção

Leia nota do Comando da Policia Militar do Acre

NOTA DE SOLIDARIEDADE E ESCLARECIMENTO

O Comandante Geral e os Oficiais da Polícia Militar do Estado do Acre vêm a público prestar o apoio incondicional ao Sr. Coronel PM Paulo Cezár Rocha dos Santos, Subcomandante Geral da PMAC, em face das matérias jornalísticas tendenciosas em que se sugestiona a possibilidade ingestão de bebida alcoólica como causa determinante do acidente de trânsito do qual esse oficial foi vítima, ocorrido no dia 11 de junho deste ano, na BR-364.

Decerto, a sua história de vida e a sua conduta pessoal e profissional, para aqueles que desfrutam do seu convívio e conhecem o seu grau de comprometimento com a causa militar, já seriam bastante para concluirmos pela improcedência das ardilosas insinuações, mas, para os céticos, os fatos que ora trazemos a esclarecimento da população em geral falaram mais alto.

Neste ponto, deve-se mencionar, com base do que se extrai do Boletim de Acidente de Trânsito, produzido pelo Departamento de Polícia Rodoviária Federal, instituição federal da mais alta credibilidade, registrado sob número de Ocorrência 922983, de lavra da autoridade competente sob a via, que não foi observado vestígio de ingestão de álcool que se possa relacionar a causa do acidente.

Assim sendo, esclarecemos que a verdade real dos fatos prende-se a perda da visibilidade temporária do referido Oficial, provocada pelo ofuscamento decorrente da luz alta dos veículos que se deslocavam em sentido contrário, o que impediu sua percepção quanto à aproximação da rotatória situada em frente à Vila Santa Cecília, o que, não obstante a tentativa de frenagem, com rastro de 06 (seis) metros, não foi bastante  para evitar a saída de pista e o consequente sinistro.

De outro modo, frisamos ainda que, dentre os fatores que contribuíram para a ocorrência do acidente, certamente não se pode descartar o seu alegado estado de fadiga e sonolência oriundo de suas atividades laborativas junto à Policial Militar (já que naquela data havia participado da tentativa de contenção de uma invasão de posse na Av. Amadeo Barbosa e acompanhamento de uma invasão no Ramal Bom Jesus), levando a desorientação quanto a sua exata localização, fazendo-o crer que ainda estava por se aproximar da rotatória do Belo Jardim no momento do acidente.

Com a certeza de sua conduta ilibada e a extrema confiança que credita-se à sua pessoa, o Comandante Geral reafirma que o respeito, a admiração e reconhecimento de todos pela retidão com a qual se pauta, tanto na sua vida profissional quanto na pessoal, permanecem inabalados; na oportunidade em que emprestamos nossos votos de solidariedade e estima de pronta recuperação, movidos por um sentimento de promoção de justiça a sua dedicação a esta Corporação.

Boa sorte, companheiro! O esperamos em breve e firme em nossa nobre causa policial militar de servir e proteger a sociedade acreana, ainda que com o sacrifício da própria vida.

Rio Branco, Acre, 14 de junho de 2011.

José dos Reis Anastácio – Cel PM
Comandante Geral da PMAC

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Conectar

Deixe uma resposta

Blog do Ac24horas

A farra do FIES: avaliações revelam a péssima educação

Publicado

em

As avaliações feitas pelo SAEB, IDEB e PISA revelam a péssima qualidade da nossa educação pública.

Até meados dos anos 1990, o desafio do nosso sistema de educação pública era garantir o acesso as salas de aulas de todas as nossas crianças em idade escolar, particularmente, aos filhos das famílias de baixa renda, sabidamente, uma responsabilidade do poder público.

Àquela época, houvesse escassez de vagas, embora o nosso ensino básico não fosse de oba qualidade, era bem melhor que àquele que passou a ser oferecido a partir do momento em que o MEC-Ministério da Educação e as secretarias estaduais e municipais conseguiram zerar a quantidade de alunos fora das salas de aulas.

Se zerado, quantitativamente, qualitativamente, a nossa educação pública, lamentavelmente só piorou, sobretudo, se comparado com a educação ofertada pelos demais países. Quem diz isto é o próprio MEC, através das avaliações realizadas pelo SAEB-Sistema de Avaliação da Educação Básica, pelo IDEB-Índice de Desenvolvimento da Educação Básica e pelo insuspeito PISA-Programa Internacional de Avaliação de Alunos, esse por sua vez, elaborado sob a responsabilidade pela OCDE-Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Nas avaliações do PISA, invariavelmente, o nosso ensino público aparece como um dos piores do mundo, pior até, que o de vários países do nosso continente latino-americano. Nada mais decepcionante!

Ora, se a nossa educação básica é de péssima qualidade, como se justificar o crescimento exponencial do número de alunos que passaram a freqüentar as nossas escolas de nível superior, sobretudo, as nossas faculdades particulares? Resposta: só, e somente, por causa da dinheirama do FIES e a apropriação indevida, irresponsável e até criminosos por parte das faculdades particulares, em sua grande maioria, certamente, atraídas pelos bilhões de reais que o FIES lhes propiciaria.

Jamais o MEC deveria ter delegado as próprias faculdades particulares a seleção dos alunos a serem financiados pelo FIES. Imperdoável omissão! Ora, nunca devemos deve entregar um galinheiro para as raposas tomarem de conta, be comparando-se, foi justamente o que fez o MEC quando deixou por conta, e sem riscos, das faculdades particulares a arregimentação dos seus próprios alunos, ou mais precisamente, de suas clientelas. Resultado: em menos de seis anos, mais de R$-50,00 bilhões já foram torrados, enquanto isto, os resultados do FIES não poderiam ser mais desastrosos, ou seja, portanto, não justificaria seu custo/benefício.

À propósito, desde que fora instituído, as faculdades particulares, feito uma praga, passaram a proliferar, a maioria delas, desprovidas das mínimas condições para oferecer os ensinamentos que se espera de uma faculdade.

De mais a mais, o FIES estabeleceu uma verdadeira guerra comercial entre as faculdades particulares, todas elas em busca de alunos, ou melhor, de clientes, e para piorar, seus os alunos eram admitidos através de vestibulares do tipo “faz de conta” ou através de históricos escolares fajutos.

Se, via FIES, o MEC pretendia fazer uma revolução na nossa educação pública, em dando prioridade ao ensino superior, o resultado não poderia ser outra, até porque, tudo que começa mal termina mal. Até porque, o edifício de uma boa educação, necessariamente, começa pelo ensino fundamental e básico.

Continuar lendo

Blog do Ac24horas

Alimentação saudável faz bem à Cidade

Publicado

em

Raquel Eline

Oséias nos fornece o peixe: 17 reais o quilo do filhote e à domicílio. Ramalho vende as galinhas e os ovos caipiras, deixa aqui em casa também. Às sextas-feiras fazemos feira no mercado da SEMSUR, o mais perto de casa. Compramos leite in natura (caixinha, nunca mais!) e meu marido, como bom acreano que é, já fez amizade com as produtoras e sempre sai com alguns maços de jambu de cortesia. Se faltar cheiro-verde na hora do tempero, é só pegar do canteiro que fiz num andaime deixado na última reforma. Os restos de salada e cascas de ovos agora vão pra lá. Não entendo bem essa da casca de ovo virar adubo mas é um conselho de uma horteira experiente e eu sigo sem questionar.

Longe de ser uma orgânica de verdade (por enquanto!) tenho buscado algumas alternativas mais naturais na alimentação. E sei que não sou só eu. Muitos amigos tem aderido a estas opções, que ainda estão tímidas em Rio Branco mas a tendência é melhorar.

Das iniciativas realizadas pelo Poder Público destaco as Hortas Comunitárias em Vazios Urbanos apoiadas pela Coordenadoria de Economia Solidária do Município com assistência técnica, maquinário, insumos, compostagem e adubo orgânico dando oportunidade de geração de renda para mais de 30 famílias. Sem falar na grande vantagem do aproveitamento de um espaço que muitas vezes vira lixão ou refúgio de bandidos em uma horta, que é bonito de se ver e saudável de conviver.

Além disso, o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS) que foi lançado há um ano e tem como uma de suas metas a disseminação da prática de compostagem. O bairro do Tucumã recebeu a primeira composteira modelo do Plano de Coleta Seletiva e também foram distribuídas pela nossa Secretaria de Meio Ambiente cartilhas e composteiras aos moradores das redondezas incentivando o reaproveitamento do lixo orgânico. Imagine que das 240 toneladas de lixo doméstico produzidas por dia (UM ÚNICO DIA!!!) em nossa capital a metade é de lixo orgânico. Se conseguirmos transformar esse lixo em vida, porque verdadeiramente adubo é vida, teremos ganhos em diversos níveis: o morador que vai ter o seu adubo gratuitamente, o Município que reduz o custo da coleta, a nossa UTRE que economiza espaço e, claro, a qualidade de vida da cidade como um todo, sobe.

Em breve, outros pontos de coleta seletiva serão implantados pela cidade além de outras ações do PMGIRS. Ainda posso citar a CEASA, as feiras nos bairros e a EMBRAPA local, que é referência no país. Todas essas ações que estão na nossa alimentação e interferem na dinâmica da cidade e do nosso modo de vida. Pelo mundo afora temos muitos bons exemplos a copiar: de mercados de orgânicos do Colorado às hortas urbanas de Paris, tudo é muito bem-vindo.

Não posso terminar sem lembrar da Eliana que nos vende o queijo fresco: tem o tradicional e o apimentado, é de comer rezando. E tantas outras iniciativas legais que estão nos quatro cantos de Rio Branco como as fábricas de polpa de frutas e as hortas caseiras que tem encontrado boas soluções em versões de todos os tamanhos e voltado às nossas panelas.  E tudo isso cabe numa paráfrase da famosa máxima: a cidade é o que você come.

*Raquel Eline é Presidente da Associação dos Procuradores do Município de Rio Branco

Continuar lendo

Bombando

Newsletter

INSCREVER-SE

Quero receber por e-mail as últimas notícias mais importantes do ac24horas.com.

* indicates required
Propaganda
Propaganda

Mais lidas