Ac24Horas - Portal de notícias do Acre

Rio Branco, Acre, 20 de abril de 2017

Câmara Criminal do Tribunal de Justiça nega pedido de modificação de condenação de Carlos Juruna

Jairo Barbosa 20/04/2017 09:48:46

Os desembargadores que compõem a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Acre, julgaram e negaram o pedido da defesa do vereador Juruna, que solicitou á corte, por meio de embargos declaratórios, a modificação do acordão que condenou o vereador pelos crimes de corrupção ativa e tráfico de influência.

O desembargador Pedro Ranzi, primeiro a votar, negou o pedido. Embora o desembargador Laudivon Nogueira tenha pedido vistas do processo, quando o magistrado solicita mais tempo para analisar o caso e se manifestar, o desembargador Samoel Evangelista antecipou sua decisão, também decidindo por negar o pedido.

Assim, na próxima sessão em que o processo for analisado, mesmo que Laudivon Nogueira seja favorável ao pedido da defesa, os embargos já estão rejeitados.

O advogado de Juruna, Valdir Perazzo, disse que a defesa vai continuar insistindo na tese de que não houve crime de tráfico de influência e que irá buscar os caminhos jurídicos para reverter a decisão que determinou a prisão do vereador.

Perazzo demonstrou irritação ao ser perguntado se Juruna iria continuar foragido, e respondeu assim:
” Pergunte a ele”, encerrou.

Manifesto do lado de fora do RJ

Enquanto os desembargadores julgavam o pedido da defesa, dezenas de manifestantes se concentraram na entrada do prédio do TJ. Empunhando cartazes com frases de apoio ao vereador, cobravam a anulação do mandado de prisão.

A maioria dos manifestantes se identificou como camelôs, categoria a que pertence o vereador foragido. Eles alegam que Juruna vem sofrendo uma campanha de perseguição,sem no entanto especificarem quem está á frente da suposta perseguição.




Veja Também