Ac24Horas - Portal de notícias do Acre

Rio Branco, Acre, 20 de março de 2017


Sobre a morte e o sentido da vida

Charlene Carvalho - 20/03/2017 10:16:17

Vou editar aqui um texto que postei sábado no Facebook. Preciso falar sobre isso. No mês do meu aniversário, tenho ido a muitos velórios. Isso sem contar os que não pude ir. Não é uma situação fácil. Não mesmo, mas é a vida. A Bíblia diz que é melhor ir a uma casa em luto do que uma casa que tem banquete.  No sábado, abri mão de dois encontros com amigas, de grande alegria, para acompanhar o culto fúnebre de uma amiga das minhas tias e minha avó, a irmã Rocilda, matriarca de uma linda família e fundadora da Igreja Batista do Bosque. Irmã Rocilda combateu o bom combate e guardou a fé. Já está com o Eterno. Ela sempre estava no culto do domingo de manhã. Só deixou de ir quando não tinha mais como andar.

RENOVAÇÃO DA FÉ
Vivemos tempos de mudanças, de reafirmação da fé. De renovação da esperança. Deus está chamando os seus. No enterro do seu Wildy Viana, pai do governador Tião Viana e do senador Jorge Viana, olhando aqueles sepulcros ao meu redor me peguei pensando: quando morrer não quero honras, cemitério caro, caixão cheio de ornamentos. Sou pó, ao pó voltarei. Confesso que a morte me assusta. Não gosto e nem quem quero conversa com ela. Mas negá-la não é nem burrice. É idiotice. A medida que a idade chega, nos aproximamos da bifurcação. A fé me faz perceber uma nova perspectiva no outono dos meus quase 47 anos. E não, não tenho vergonha da minha idade. Quero viver. Muito tempo, de preferência.

CORPO E MENTE
Mas não sou eu que decido quanto tempo viverei. Tenho responsabilidade sobre a vida? Tenho. Tenho sim. Se não cuido da saúde, não posso querer milagres do Eterno. E essa percepção do corpo como templo do espírito e, por isso, precisa ser bem cuidado, só se tornou real em mim depois dos 45. Me julguem.  Isso pode determinar se viverei mais ou menos? Talvez. Depende.  Preciso fazer minha parte. E essa estou fazendo. Acho que ainda tenho tempo, mas preciso correr. Literalmente. A outra parte não me pertence.

POEIRA DE VENTO
E por que? Porque não somos nós que decidimos quando morremos. Somos, nas palavras de Salomão, poeira de vento. Quando entendemos isso de maneira real, concreta, a vida fica mais fácil. Viver fica mais fácil. Hoje sei que sou mais feliz, mais alegre e mais consciente das minhas falhas, defeitos e qualidades. Claro, preciso ser melhor a cada dia para ser merecedora do reino dos Céus. Porque nele eu acredito. E quero ir pro céu. Se nem o Egito é o meu lugar, imagina o Hades.

AMOR AO PRÓXIMO
O problema é que não é fácil viver nesse mundo louco dos nossos tempos. Egoísmo, modismo, facilidades, maldades relativizadas, tudo fica mais fácil. Ou mais difícil. Depende da perspectiva. Para não esquecer quem sou e para onde irei, sempre me atenho ao que escreveu Salomão no último versículo de Eclesiastes, onde ele nos ensina que a conclusão final é: teme a Deus e guarde os seus mandamentos, pois nisto consiste todo o dever do homem. A vida é um ciclo. Não acaba com a morte. Mas o que fazemos em vida determinará nossa eternidade.

Aquela imagem que não precisa de legenda e faz a gente pensar. O registro dos irmãos Jorge e Tião, na missa de 7º. Dia do pai Wildy Viana, ontem na Catedral Nossa Senhora de Nazaré, é do jornalista Altino Machado. Bela foto!

 A VIDA É BELA
Sabe, leitor, precisamos falar de vida.  Vida que segue. Vida que chega. No sábado, chegou a este mundo um menino precioso: Luiz Ravi. Ele é filho de uma grande amiga-irmã e quase-filha (sempre será minha menina amada), Najara Maciel. Luiz Ravi nasceu de parto natural. Chegou chegando e com pressa, a um mundo conturbado, onde rogo a Deus para que seja sempre um emissário de luz, paz e amor.

NA TV
Quem gosta de viajar e conhecer boas rotas de turismo, uma boa dica é assistir ao programa “Pedro Pelo Mundo”, apresentado pelo jornalista Pedro Andrade, toda segunda à noite no canal pago GNT. Pedro nos leva lugares lindos, inusitados e com ótimas opções de lazer.

 

Moisés Alencastro é persona de muitas tribos, o que lhe garante muitas festas de aniversário. Algumas tradicionais, como a que reúne todos os anos as jornalistas Alessandra Machado, Neide Santos, Kelly Kley e euzinha. Esse ano tivemos baixa no parabéns com bolo (que não é do Araújo, visse??) do Darling. Genézia (Jane) Vasconcelos não veio de Brasiléia e Rizomar Araújo, para manter a tradição, chegou depois, muito depois, das 59 velinhas apagadas. Ano que vem Moisés Vai ganhar carteira do idoso de presente

SÓ PRA LEMBRAR…
… que na próxima segunda, 27, é meu aniversário. Assim, caro amigo que lê essas mal traçadas linhas, não esqueça O MEU PRESENTE. Quem não ligar fique sabendo que vai pro limbo, com direito a block no whats por 365 dias. Tem um amigo que está lá desde o ano passado.

É sério!

Pergunta pra Rachel Moreira (secretária de Turismo) que ela é amiga do gajo.

MOVIE
A Bela e a Fera é realmente um sucesso de bilheteria, com arrecadação de US$ 170 milhões no fim de semana de estreia (17 a 19 de março) nos Estados Unidos. E por aqui, acredite, tem versão legendada no Cine Araújo. Vale a pena assistir.

TRILHA
Por falar em A Bela e a Fera, destaque para a trilha sonora. A canção original da primeira versão, uma das animações mais dignas da Disney e que ganhou o Oscar, ganhou versão de alta qualidade. As músicas do filme, inclusive, já estão entre as mais tocadas do Spotify mundo a fora.

Risoleta Queiroz, Tacilene Brana, Elywanda Marreiro, Cláudia Regina, Djani Gomes, Isandra D’Ávila – direto de Manaus -, Cláudia Modesto e Kathleen Makloren, amigas de de Sena Madureira, do Eliziário Távora e da vida toda, que se reuniram sábado para uma boa tarde de conversas na casa da Kathleen. Faltou a Rosiany Brito na foto. Ela estava lá, mas a foto era em P&B, no site fica melhor a colorida.  E por falar em falta, além da Santinha, aí tá faltando eu, Izabella Sales, Carlyla Sales, Uilândia Mendonça e Joseline Anute, que por motivos extras às nossas vontades, não pudemos ir. No próximo prometo que vou Risoleta. Do vera!!!!

CUIDADO COM SUAS SENHAS
Você sabia, leitor, que na era digital é recomendável trocar suas senhas no mínimo a cada seis meses? E que não é seguro de jeito nenhum ter a mesma senha para diversos serviços, tipo e-mail, nuvem, redes sociais?

DE OLHO
Pois é. Tome cuidado. Reconfigure suas contas. Não use senhas fáceis de serem quebradas e troque-as sempre que possível. Isso também vale para contas de banco. O mundo globalizado não perdoa. E os escândalos recentes nos mostram que não é só celebridade que corre riscos.

NUDES À VENDA?
Aliás, sabia que na internet há um submundo de colecionadores que pagam e hackers especializados em violar celulares que vendem material digital íntimo? Acredite, isso é verdade. Guardar seus -meus – arquivos na nuvem é algo comum e importante, pois evita acúmulo de arquivos na memória do celular, do tablet e do computador de casa, mas é preciso tomar cuidado. Fique de olho.





Veja Também