Ac24Horas - Portal de notícias do Acre

Rio Branco, Acre, 18 de março de 2017


Jovem que foi ao RJ a tratamento recebeu alta há mais de um mês e governo não providencia retorno

Archibaldo Antunes - antunes.acre@gmail.com 18/03/2017 09:49:18
Corresponde no Vale do Juruá

Raí Octaviano Araújo, 22 anos, é um jovem especial que está no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Rio de Janeiro, há mais de quatro meses. Há 36 dias ele recebeu alta médica, mas continua no hospital porque o governo do Acre não providencia o translado para ele e os pais até a cidade de Cruzeiro do Sul, onde vivem.

Segundo a mãe do rapaz, Efigênia da Silva Octaviano, 43, ela e o marido, o pedreiro Antônio da Silva, 44, têm se alimentado e vivido no Into todo esse tempo. Em telefonema feito à reportagem, ela denunciou o descaso do governo. “Estamos dormindo em poltronas e recebemos alimentação do hospital”, afirma.

Efigênia diz ainda que desde que o filho recebeu alta eles tentam, sem sucesso, retornar a Cruzeiro do Sul.

“O pessoal do governo só nos enrola. Eles dizem apenas que estão tentando conseguir um avião da FAB, o que é mentira. A FAB já descartou a possibilidade de nos transportar de volta, sob a alegação de que essa tarefa é responsabilidade do Estado”, diz ela.

Outro lado

Contatado pela reportagem, o representante da saúde estadual em Cruzeiro do Sul, Itamar de Sá, afirmou que o translado de Raí e dos pais está sendo negociado entre a Regulação Nacional e o TFD de Rio Branco.

“Estão todos empenhados de forma muito firme, no sentido de resolver essa questão”, assegurou.

Itamar confirma que a FAB se negou a transportar de volta o paciente e os pais até Cruzeiro do Sul. E alega que o caso requer providências que vão além da simples emissão de passagens aéreas.

Como Raí sofreu de um tumor no fêmur e teve de ser amputado, ele precisa ser transladado em uma UTI aérea. “Na última terça-feira estive em Rio Branco para tratar desse assunto e teremos uma reposta a qualquer momento”, disse Itamar de Sá.

Mas enquanto a burocracia estatal não desata os próprios nós, a sobrevivência de Efigênia, Antônio e Raí continuará a depender da boa vontade dos administradores do Into.





Veja Também