Ac24Horas - Portal de notícias do Acre

Rio Branco, Acre, 23 de novembro de 2016


Rombo na previdência do Acre pode ser maior do que é propagandeado

Ray Melo, da editoria de política do ac24horas - 23/11/2016 22:54:40

acreprev_01

Bom dia! Boa tarde! Boa noite!

Abrindo mais uma atualização com uma perguntinha aos meus três leitores: vocês ainda lembram de um debate durante o período eleitoral de 2014 – quando o governador Sebastião Viana (PT) fez uma pegadinha, questionando ao então candidato Márcio Bittar (PSDB), se o tucano saberia o que era equilíbrio atuarial, depois ficou fazendo carinha de superdotado? Pois é, se Bittar não sabia, parece que nem o petista sabe ao certo o que o equilíbrio atuarial come.

A prova é a situação preocupante que se encontra o Acreprevidência. Atualmente, o próprio governador admite um déficit de 25 milhões de reais mês, mas continua se eximindo de responsabilidade e achando que o Governo federal (em especial o presidente Michelm Temer) é o culpado pelo rombo na previdência estadual, que de acordo com Viana é estimado em 300 milhões de reais ano, já que a União não realizou os repasses constitucionais previstos.

Quem também alertou para o problema e chegou a denunciar este possível rombo previdenciário, durante a campanha eleitoral para o governo do Acre, foi Tião Bocalom (DEM). Na época, Sebastião Viana tratou o assunto como ato de ignorância de seus adversário e tentou desqualificar o eterno prefeito de Acrelândia, afirmando que tratava-se de uma dívida consolidada para mais 75 anos. Será que as contas de Bocalom estavam corretas?

Hoje, sempre enfatizando que a culpa é de agente externo que a todo custo tenta prejudica seu governo, Sebastião diz que até o mês de setembro deste ano, o Estado não tinha uma novidade de desequilíbrio atuarial, mas passou a ter um déficit de 25 milhões todo mês e deverá chegar a quantia de 300 milhões de reais em um ano, que é exatamente a quantia que ele alega, em todas as coletivas e discursos, que foi cortada dos repasses de FPM pelo Governo Federal.

Te cuida, Temer, além de levar a pecha de golpista, vai carregar a culpa se faltar dinheiro para pagar os aposentados do Acre.

O dinheiro dos depósitos judiciais não foi suficiente

vendo_01
A julgar pela choradeira e coitadismo do governador do Acre, o dinheiro dos depósitos judiciais, liberado através de um projeto de lei considerado inconstitucional pela OAB e AMB, não foi suficiente para pagar sequer as contas do Acreprevidência. Para quem estava acostumado a anunciar até obras de calçadas orçadas em milhões de reais, deve ser difícil chegar ao final de um ano contando apenas com recursos dos depósitos judiciais, o FPM normal e o FPM extra de mais de 200 milhões de reais, além da arrecadação própria. Mesmo com o caixa reforçado nos últimos dois meses de 2016, Sebastião não garante o pagamento do 13o salário e faz previsões obscuras para o próximo ano. Nem o estado considerado modelo mundial escapou das garras da crise econômica.

Enquanto isso, na UPA do Segundo Distrito…
As denúncias de falta de médicos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Segundo Distrito é assunto recorrente, mas os responsáveis pena unidade de saúde sempre negam. Ao tentar realizar uma consulta, o jornalista Ingreson Derze, constatou que na quarta-feira (23), apenas um médico fazia o atendimento das dezenas de pessoas que procuraram assistência no local. Assista o vídeo de um dos servidores confirmando a precariedade no atendimento:

FRASE DO DIAfrase_01
“Quem quer conhecer as práticas do PMDB, por exemplo, é só visitar Mâncio Lima onde o prefeito não pagou sequer o salário dos funcionários provisórios. Não quero que os oposicionistas defendam o governo, quero apenas que eles sejam justos e reconheçam o bom trabalho que a Frente Popular tem realizado no Acre”, do deputado Jonas Lima (PT), ao contra-atacar deputados de oposição.

Ele não é bobo
junior_01Apesar de fazer parte da Frente Popular, Heitor Júnior (PDT) não carrega o ranço dos partidos de sua coligação em relação a parlamentares de oposição. Durante visita ao senador Gladson Cameli (PP), o deputado solicitou e conseguiu ajuda para comprar equipamentos para Associação dos Portadores de Hepatites do Acre (APHAC). Cameli destinará recursos para adquirir quatro gabinetes odontológicos moveis. Por intermédio do senador progressista, Heitor Júnior conseguiu uma audiência com o diretor da empresa de telefonia Oi, que assegurou instalações de telefonia em locais de difícil acesso no interior do Estado. Parlamentar bom é quem transita bem tanto na oposição, quanto na situação. De bobo, Heitor Júnior só tem o andar.

Lançar candidatura não é sinal de desunião
eleitor_01Alguns oposicionistas precisam acabar com a bobagem de afirmar que o lançamento de várias pré-candidaturas ao Senado pela oposição é sinal de desunião. Todos os partidos que integram o bloco têm o direito de buscar fortalecimento. Quanto mais nomes no tabuleiro, mais opções a população terá para escolher os melhores candidatos. O que cabe a cada postulante é buscar se credenciar para integrar a chapa majoritária. O importante é chegar no período das convenções com os nomes definidos para apresentar aos eleitores. O resto é invencionice de quem não consegue conviver com a versatilidade da política. Ou estes oposicionistas acreditam que dentro da Frente Popular não há arranca-rabo de grupos rivais para emplacar suas candidaturas?

Denúncia grave
socorro_01A presidente da Associação dos Pacientes Renais e Transplantados do Acre, Berenice Sales da Silva, procurou o deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) para apresentar uma lista de medicamentos de alto custo que estariam faltando para atender os pacientes de hemodiálise e transplantados nos hospitais. Ela informou que os pacientes não estariam recebendo a medicação necessária para o tratamento no setor de nefrologia e os transplantados estariam sem os remédios que evitam a rejeição do órgão transplantado. Estas pessoas não podem deixar de tomar esta medicação, mas o Estado não estaria cooperando na aquisição dos remédios que estão além da possibilidade financeira dos pacientes.

 

 





Veja Também