TELEXFREE – Sub-rogação é saída de mestre para o caso

08/12/2013 13:26:43

O deputado Moisés Diniz (PCdoB) explica neste domingo (8) em sua página no facebook que a nova decisão da Telexfree como forma de beneficiar os divulgadores e não interferir na decisão da justiça é a sub-rogação. Veja o que diz o deputado:

Por que a Telexfree não aceitou, na Audiência de Conciliação, a proposta do MP de devolução dos recursos para quem não havia recebido nada do investimento?

Porque seria aceitar a culpabilidade da empresa e posterior liquidação da Telexfree.

Ademais, o MP não aceitou também duas propostas da Telexfree, que seriam: liberar a empresa, obrigando a constituição de um Seguro, uma espécie de fundo especial para proteger os divulgadores ou liberar a Telexfree para terminar de honrar os seus contratos com os divulgadores.

A sub-rogação é uma saída de mestre. Por que?

a)   Garante que todos os investidores que nada receberam possam ter o seu dinheiro de volta;

b)   Quem paga cada investidor é a empresa sub-rogada pela Ympactus. Não é dinheiro bloqueado;

c)    Se, no final do processo, houver uma decisão da juíza pela liberação dos recursos, a Ympactus devolve esses recursos à empresa sub-rogada;

d)   Se houver decisão contrária, quem sairá no prejuízo será a empresa sub-rogada;

e)   Quanto a prejuízos ou não das empresas, é uma decisão delas assumir esse risco e deve-se aplaudir o diretor Carlos Costa por ter encontrado uma empresa parceira para cumprir essa função financeira;

f)     Cabe à Justiça apenas informar os nomes dos divulgadores, os valores e AUTORIZAR a sub-rogação.

g)   A sub-rogação é o único caminho que garante a devolução dos recursos e mantêm a Telexfree na luta judicial, até o julgamento do mérito.

Agora ficaria sem nenhuma explicação a Justiça negar esse pedido, porque não estamos falando de recursos bloqueados, mas, de dinheiro de uma empresa sub-rogada, que assumiria os riscos, pagando quem ainda não recebeu nada.



Notícias Acre Classificados AC